Topo

Tropeços em casa deixam Flu perto da zona e freiam aliança com torcida

Yony sob os olhares da torcida do Fluminense, que compareceu ao Maracanã para acompanhar o jogo contra o Atlético-MG - LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.
Yony sob os olhares da torcida do Fluminense, que compareceu ao Maracanã para acompanhar o jogo contra o Atlético-MG Imagem: LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

17/11/2019 08h51

Pacote de ingressos, promoção, convocação nas redes sociais. Desde junho a diretoria do Fluminense tentou fazer com que a torcida tricolor abraçasse o time e o empurrasse a colocações melhores no Campeonato Brasileiro, mas a resposta em campo não aconteceu. No Maracanã, pontos importantes foram deixados pelo caminho e a equipe chega à reta final da competição em situação incômoda na luta contra o rebaixamento.

Uma das primeiras ações da diretoria encabeçada por Mario Bittencourt, que assumiu o clube em junho, foi fazer um pacote de ingressos que englobava partidas tanto do Brasileiro quanto da Sul-Americana. Posteriormente, chegou a baixar os preços das entradas, como no duelo contra o Chape, que foi R$ 10 para os sócios.

Desde a campanha presidencial que Mario citava um "resgate da relação" entre a torcida e o clube, buscando retomar laços que ele considerou perdidos em momentos anteriores e salientando a importância dos tricolores para o clube.

"Queria aproveitar a oportunidade para dizer que esperamos que o torcedor abrace essa primeira tentativa de resgate da nossa relação com eles. Gostaria muito que eles pudessem adquirir o pacote e encher o Maracanã nesses cinco jogos. A ideia foi justamente mostrar que, antes de qualquer coisa, eu preciso do torcedor. Precisamos do torcedor no estádio, isso é fundamental. Jogadores ficaram muito animados", disse Mario Bittencourt, durante entrevista coletiva concedida em 28 de junho.

À época, a intenção era de alinhar ações até por conta de o Tricolor, juntamente com o Flamengo, ter se tornado o gestor do Maracanã, o que permitia a flexibilização de alguns pontos da operação dos jogos.

Em campo, porém, os resultados não ajudaram a fazer com que o Maracanã ficasse cada vez mais cheio. A campanha do Fluminense em casa nesta edição do Brasileiro é a terceira pior, perdendo apenas para Avaí e Chapecoense. Em 17 partidas, o Tricolor somou 21 pontos. A última decepção foi contra o Atlético-MG, quando cedeu o empate nos minutos finais, mas já havia perdido, por exemplo, para Avaí e CSA e empatado com a Chapecoense, todos rivais na luta para fugir do Z4.

LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.
Imagem: LUCAS MERÇON/ FLUMINENSE F.C.

"Queríamos entregar uma vitória importante para o nosso torcedor, que compareceu em massa. Em nenhum momento criticou a equipe, viram o comprometimento dos atletas. Infelizmente o resultado positivo não veio. Vamos continuar trabalhando e temos que manter a cabeça forte para as próximas batalhas", disse Marcão, após o empate com a Galo.

Agora, o Fluminense tem, nos cinco jogos restante para o fim do Brasileiro, dois confrontos em casa, contra Palmeiras e Fortaleza, e três fora, contra CSA, Avaí e Corinthians. Contra os dois primeiros, a oportunidade de dar o troco pelos resultados ruins do primeiro turno.

Fluminense