PUBLICIDADE
Topo

Tropeços em casa contra adversários diretos aumentam pressão no Fluminense

Do UOL, no Rio de Janeiro (RJ)

27/10/2019 04h00

Na briga contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, o Fluminense deixa de conquistar pontos preciosos em casa. Atuando no Maracanã, a equipe tricolor não conseguiu vencer CSA, Avaí e, ontem (26), Chapecoense, os três últimos colocados da competição. O mais recente capítulo desta saga aumentou a pressão para o confronto com o Ceará, considerado uma nova final para a equipe das Laranjeiras.

Cada um desses tropeços foi com um treinador diferente. Em outras palavras, todos os técnicos do Fluminense nesta temporada passaram pela situação de não conquistar uma vitória contra um adversário direto sob os olhares da torcida.

O primeiro foi Fernando Diniz, que ainda era o comandante quando o Flu perdeu para o CSA. O revés, inclusive, custou o emprego do treinador, hoje no São Paulo. Posteriormente, Oswaldo de Oliveira viu o time sucumbir diante de um Avaí que ainda não havia vencido na competição. Agora, sob as ordens de Marcão, o Tricolor saiu atrás e apenas empatou com a Chape, penúltima colocada.

"Tem times que vêm, às vezes, para jogar por um ponto, se defendem o tempo todo. Difícil atuar contra times que só deixam jogar e ficam só marcando. Então, temos de nos adaptar a isso, porque vamos ter mais confrontos assim. Precisamos pontuar para a gente sair dessa situação", afirmou o lateral-direito Gilberto.

Dos quatro integrantes da zona de rebaixamento, o Fluminense havia vencido apenas o Cruzeiro em casa, em partida na qual aplicou uma goleada no primeiro turno.

O resultado diante da Chapecoense aumentou a pressão sobre o time para o resto do campeonato. O zagueiro Digão, por exemplo, usou a palavra "guerra" ao se referir aos próximos compromissos pela competição nacional.

"Não era o que a gente esperava jogando em casa. Com todo o respeito à Chapecoense, não conseguimos a vitória. Batalhamos muito, mas agora é virar a chave. Toda partida decisiva. Até o final do ano, agora, toda quarta e domingo vão ser guerras para a gente. Temos de estar totalmente focados nisso, concentrados, trazer o torcedor para o nosso lado. Torcedor nos apoia para o Fluminense sair vencedor. Infelizmente não aconteceu, mas é virar a chave. Quarta-feira temos uma decisão", disse o defensor.

Fluminense