PUBLICIDADE
Topo

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Rival do Corinthians, Boca sofre no Brasil e vence só 3 jogos em 10 anos

Maycon comemora gol do Corinthians em confronto com o Boca na fase de grupos - Ronaldo Barreto
Maycon comemora gol do Corinthians em confronto com o Boca na fase de grupos Imagem: Ronaldo Barreto
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

28/06/2022 04h00

Houve um tempo em que os clubes brasileiros se tremiam todos quando descobriam que teriam de enfrentar o Boca Juniors em um confronto decisivo da Copa Libertadores da América.

Mas essa fase ficou para trás. Sem ganhar o principal torneio interclubes do futebol sul-americano há 15 anos, o tradicional clube argentino virou apenas um adversário a mais para o Corinthians, com quem inicia hoje a partir das 21h30, em Itaquera, a disputa por vaga nas quartas de final.

Afinal, nas duas últimas edições da Libertadores, o Boca foi eliminado justamente por equipes do país pentacampeão mundial. Em 2020, tomou um humilhante 3 a 0 do Santos. E, no ano passado, caiu nos pênaltis ante o Atlético-MG.

Mais que isso, os xeneizes não têm se dado bem nas duas visitas mais recentes ao Brasil. Ao longo dos últimos dez anos, só venceram três dos 13 jogos que disputaram por aqui -houve ainda cinco empates e cinco derrotas.

O Boca só conseguiu derrotar Fluminense (2 a 0, em 2012), Athletico-PR (1 a 0, em 2019) e Internacional (1 a 0, em 2020). Em compensação, foi batido duas vezes por 3 a 0: uma pelo Santos e outra pelos athleticanos.

Curiosamente, foi o próprio Corinthians, seu adversário na abertura da fase final desta Libertadores, o último brasileiro a ver que o gigante argentino já não assusta tanto assim... pelo menos, quando está longe da Bombonera.

As duas equipes já se cruzaram na etapa classificatória deste ano. E, quando jogou em São Paulo, lá no fim de abril, a equipe alvinegra venceu por 2 a 0 - em Buenos Aires, houve empate por 1 a 1.

Na comparação com o confronto de dois meses atrás, o time do técnico Sebastián Battaglia ganhou os reforços dos zagueiros Carlos Izquierdoz e Marcos Rojo, do meia Diego González e do ponto Sebastián Villa, que estavam suspensos.

Por outro lado, perdeu o camisa 10 Eduardo Salvio, que optou por não renovar seu contrato, e com o defensor Nicolás Figal, que se machucou na partida do último fim de semana, contra o Unión Santa Fé, pelo Campeonato Argentino.

Apesar de o futebol pentacampeão mundial ter vencido as três últimas edições da Libertadores (Flamengo, em 2019 e Palmeiras, em 2020 e 2021), ele continua atrás da Argentina no ranking de conquistas continentais: 25 a 21.

Como já vem acontecendo desde 2019, a final do torneio interclubes mais importante da América do Sul será novamente disputada em jogo único. Desta vez, a decisão está programada para o dia 29 de outubro, no estádio Monumental de Guayaquil, no Equador.

Libertadores - oitavas de final (ida)

Hoje, às 19h15 - Emelec x Atlético-MG, em Guayaquil (EQU)
Hoje, às 21h30 - Athletico-PR x Libertad, em Curitiba (PR)
Hoje, às 21h30 - Corinthians x Boca Juniors, em São Paulo (SP)
Amanhã, às 19h15 - Cerro Porteño x Palmeiras, em Assunção (PAR)
Amanhã, às 19h15 - Talleres x Colón, em Córdoba (ARG)
Amanhã, às 21h30 - Vélez Sarsfield x River Plate, em Buenos Aires (ARG)
Amanhã, às 21h30 - Tolima x Flamengo, em Ibagué (COL)
Quinta, às 21h30 - Fortaleza x Estudiantes, em Fortaleza (CE)