PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Como time com custo de Série B virou ameaça a brasileiros na Libertadores

Barcelona de Guayaquil é o "primo pobre" das semifinais da Libertadores - Divulgação
Barcelona de Guayaquil é o "primo pobre" das semifinais da Libertadores Imagem: Divulgação
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

22/09/2021 04h00

O custo total de funcionamento do Barcelona de Guayaquil (remuneração de jogadores, integrantes da comissão técnica, funcionários administrativos e atletas da base, além de premiações, viagens, hotéis, impostos, manutenção de estádio e outros muitos gastos menores) equivale mais ou menos ao mesmo valor que o Flamengo desembolsa só para pagar os salários de Gabigol, David Luiz, Bruno Henrique, Filipe Luís e Vitinho.

É esse o tamanho do abismo financeiro que separa os dois semifinalistas da Libertadores-2021, que se enfrentam hoje (22), às 21h30 (de Brasília), no Maracanã, na primeira partida que irá decidir um dos participantes da decisão.

A equipe equatoriana é o primo pobre que continua na briga pelo título da competição interclubes mais importante do futebol sul-americano.

Enquanto Fla, Palmeiras e Atlético-MG têm grana suficiente para contar em seus elencos com jogadores que já vestiram camisas pesadas do futebol europeu, o Barcelona tem um orçamento que não seria nem o maior da Série B do Campeonato Brasileiro.

O "Blog do Rafael Reis" apurou que o orçamento do clube de Guayaquil para este ano é de apenas US$ 11 milhões (R$ 58,6 milhões). Só como comparação, o Botafogo, que disputa a segundona nacional, prevê gastar mais de R$ 160 milhões nesta temporada.

No ano passado, Flamengo e Palmeiras torraram mais de R$ 500 milhões cada um só com seus times de futebol (gastos com os clubes sociais e outras modalidades não foram considerados). Já a conta do Atlético-MG se aproximou da marca de R$ 300 milhões.

Ciente da enorme diferença financeira que separa o seu time dos outros semifinalistas, o técnico Fabián Bustos praticamente já jogou a toalha. Na sua avaliação, as chances de o Barcelona vencer a Libertadores são mínimas.

"O campeão provavelmente será um clube brasileiro. Os candidatos são os brasileiros. É a primeira vez que temos três times de um mesmo país nas semifinais e isso é um resultado direto do poder econômico deles, que conseguem trazer jogadores da Europa. O que podemos fazer é colocar em campo um trabalho de alto nível para fazer frente ao Flamengo", afirmou, em entrevista por telefone, o treinador argentino.

Apesar do discurso um tanto quanto pessimista de Bustos para a reta final do torneio, o Barcelona já aprontou bonito nesta Libertadores contra adversários com elencos bem mais caros do que o seu.

Na fase de grupos, classificou-se em primeiro lugar em uma chave que contava com os tradicionalíssimos Santos e Boca Juniors. Depois, eliminou um argentino (Vélez Sarsfield) nas oitavas e um brasileiro (Fluminense) nas quartas.

O segredo, segundo Bustos, é o jogo coletivo de um grupo de jogadores que é praticamente o mesmo desde o começo do ano passado, quando o treinador desembarcou em Guayaquil e montou o time que seria campeão nacional de 2020 e (pelo menos) semifinalista continental nesta temporada.

"Nossa maior virtude é ter mantido praticamente o mesmo elenco há 20 meses. Temos uma base que se conhece muito e funciona bem. Somos uma equipe lutadora, sem as mesmas estrelas dos outros semifinalistas, mas que é bastante humana. E assim tentamos diminuir a diferença que nos separa dos outros plantéis", concluiu Bustos.

Com três dos quatro semifinalistas desta edição, o futebol brasileiro vem dominando a Libertadores nos últimos anos. Desde 2017, apenas um clube de outro país, o River Plate (ARG), conseguiu ser campeão —em 2018.

Na última temporada, a decisão colocou frente a frente dois clubes tupiniquins (Palmeiras e Santos), algo que só havia acontecido duas vezes antes (2005 e 2006) e que, de acordo com as palavras do próprio Bustos, tem boa chance de se repetir mais uma vez.

O próximo campeão continental será conhecido em 27 de novembro. Desta vez, a final está marcada para o estádio Centenário, em Montevidéu, capital do Uruguai. O detentor da taça poderá disputar o Mundial de Clubes, que ainda não tem sede definida depois que o Japão desistiu da organização.

Semifinais da Libertadores

Ontem - Palmeiras x Atlético-MG, no Allianz Parque, São Paulo (SP)
Hoje, às 21h30 - Flamengo x Barcelona, no Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
28/09, às 21h30 - Atlético-MG x Palmeiras, no Mineirão, Belo Horizonte (MG)
29/09, às 21h30 - Barcelona x Flamengo, no Monumental, em Guayaquil (EQU)