PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Com risco de desmanche, Gallardo estuda saída do River e novos desafios

Marcelo Gallardo foi o técnico mais vitorioso da América do Sul na última década - Efe
Marcelo Gallardo foi o técnico mais vitorioso da América do Sul na última década Imagem: Efe
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

21/01/2021 04h00

O trabalho mais vitorioso e admirado do futebol sul-americano na última década pode estar com os dias contados.

Campeão da Libertadores em 2015 e 2018, derrotado na decisão em 2019 e semifinalista em 2017 e 2020, sempre no comando do River Plate, Marcelo Gallardo ainda não decidiu se continuará à frente do clube neste ano.

Uma semana depois de ser eliminado da competição continental pelo Palmeiras, o treinador se reapresentou ontem (19) para dar início à pré-temporada da equipe de Buenos Aires. Mas sua presença no treino não é garantia de nada.

De acordo com diferentes veículos da imprensa argentina, Gallardo pediu um prazo de dez dias para conversar com jogadores e com a diretoria do River para sentir se vale a pena permanecer no emprego até o fim do seu contrato, que termina em dezembro.

A principal preocupação do técnico é com a possibilidade de um desmanche do elenco que acabe tirando do seu time o posto de "mais temido das Américas" e a chance de brigar pelos títulos mais importantes da temporada.

Nada menos que quatro titulares do River (o lateral direito Gonzalo Montiel, o zagueiro Javier Pinola, o meia Nicolás de la Cruz e o atacante Rafael Santos Borré), além do capitão Leonardo Ponzio, têm contrato só até junho e já podem assinar com outra equipe para se transferir no meio do ano.

Segundo o jornal "Olé", outras duas importantes peças do esquema armado por Gallardo também desejam ir embora.

O meia Nacho Fernández vem forçando a barra com a diretoria para que o valor da cláusula rescisória do seu contrato seja reduzido, o que facilitaria uma negociação com o exterior. Já o veterano volante Enzo Pérez recebeu uma proposta para jogar no Trabzonspor, da Turquia, e está disposto a aceitá-la.

O descontentamento do técnico argentino com a política de compra e venda de jogadores da diretoria do River é antigo. Desde 2019, ele vem reclamando da saída de atletas importantes e da falta de reposição para essas peças.

Só nos últimos dois anos, Gallardo perdeu Exequiel Palacios, Ignacio Scocco, Juan Fernando Quintero, Lucas Martínez Quarta e Lucas Pratto, todos titulares ou reservas que eram bastante aproveitados.

Nesse mesmo período, os reforços chegaram em quantidade bem abaixo da solicitada pelo treinador para a manutenção do nível da equipe. Apenas Paulo Díaz, Jorge Carrascal e Fabrizio Angileri foram contratados.

A possível saída de Gallardo do River é uma excelente notícia para vários clubes brasileiros, que sonham em ser dirigidos pelo vitorioso argentino. Pelo menos duas torcidas, as de Flamengo e Palmeiras, chegaram a fazer campanhas na internet no ano passado pedindo a contratação do treinador.

No entanto, é pouco provável que ele continue na América do Sul se for embora de Buenos Aires. O ótimo trabalho feito ao longo dos últimos anos fez com que as portas do futebol europeu se abrissem para o ex-meia.

Caso fique desempregado, é bem possível que ele logo receba propostas para treinar times de médio escalão de países como Espanha ou Inglaterra.

Gallardo é o técnico mais vitorioso da história do River. Desde 2014, quando foi contratado, ele já levantou 11 troféus. Dentre os treinadores em atividade em clubes importantes da América do Sul, ele é hoje o mais longevo no cargo.