PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

Herdeiros reais? 7 jogadores que foram apresentados como "novo Maradona"

Messi e Maradona trabalharam juntos na seleção argentina durante a Copa-2010 - Getty Images
Messi e Maradona trabalharam juntos na seleção argentina durante a Copa-2010 Imagem: Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

27/11/2020 04h20

Durante várias décadas, todo camisa 10 argentino que despontava ainda jovem esbanjando técnica e habilidade era logo tratado como "novo Maradona". Se fosse baixinho e canhoto, então, as comparações eram maiores ainda.

A alcunha serviu para muitos. Alguns conseguiram vencer a barreira da pesada comparação e construíram carreiras sólidas por times poderosos e também com a camisa da seleção. Outros sucumbiram à pressão e ficaram pelo caminho.

Dois dias depois da morte do maior ídolo da história da Argentina e de um dos gigantes da história do futebol mundial, o "Blog do Rafael Reis" homenageia Don Diego mostrando sete jogadores que foram chamados de "novo Maradona" no começo da carreira.

LIONEL MESSI
33 anos
Barcelona (ESP)

O maior "novo Maradona" de todos, Messi ficou tão grande que, para muita gente, superou Diego como o maior jogador argentino de futebol de todos os tempos. Assim como seu antecessor com a camisa 10, brilhou primeiro nas seleções de base (foi campeão mundial sub-20 e medalhista de ouro nos Jogos Olímpicos como protagonista). Mas ao contrário do "D10S" original, não foi campeão mundial adulto com a Argentina, ainda persegue seu primeiro título com a camisa albiceleste e não é idolatrado em sua terra natal. Para muitos argentinos, Messi é até mais espanhol do que sul-americano, já que vive em Barcelona desde o começo da adolescência e só mais recentemente começou a mostrar seu lado passional e explosivo em campo e nas entrevistas.

ARIEL ORTEGA
46 anos
Aposentado

Ariel Ortega - Divulgação - Divulgação
Imagem: Divulgação

Atuou ao lado de Maradona na Copa-1994 e assumiu a camisa 10 da seleção argentina no Mundial seguinte (e também em 2002), depois da aposentadoria do craque e ídolo. Tinha um estilo de jogo bem parecido ao de Diego: baixinho, habilidoso e rápido, não tinha medo de partir para cima dos marcadores e enfileirar adversários. Mas "Burrito", apelido que carregou durante toda a carreira, não tinha o mesmo talento do astro maior. Apesar de ter rodado por vários times da Europa, como Valencia, Sampdoria e Parma, viveu os melhores anos de sua vida no futebol argentino, usando o uniforme do River Plate. Ortega deixou os gramados em 2012.

PABLO AIMAR
41 anos
Aposentado

Pablo Aimar - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Era o "novo Maradona" da moda na virada da década de 1990 para os anos 2000. Curiosamente, apesar de ter disputado duas Copas do Mundo (2002 e 2006), só vestiu a camisa 10 da seleção em uma única competição oficial, a Copa das Confederações-2005. Além das comparações com Don Diego, Aimar pode se orgulhar de um outro grande feito: por uma questão de geração, é ele o ídolo máximo de Messi. Depois de 20 anos atuando como profissional, com destaque para as passagens por River Plate, Valencia e Benfica, o ex-meia-atacante comanda desde 2017 a seleção sub-17 da Argentina e foi campeão sul-americano da categoria no ano passado. Em 2018, passou também a trabalhar como auxiliar da equipe adulta albiceleste.

CARLOS TEVEZ
36 anos
Boca Juniors (ARG)

Carlos Tevez - Getty Images - Getty Images
Imagem: Getty Images

Talvez seja o "novo Maradona" mais parecido com o original no extracampo. Assim como seu ídolo, tem uma origem bastante humilde, é explosivo, fala tudo que pensa e não tem problema em se indispor com os poderosos. Talvez por isso tenha caído tanto nas graças do Boca Juniors, time onde iniciou a carreira e que tem justamente Diego como símbolo máximo. Já as comparações com Maradona dentro das quatro linhas, ficaram no passado. Lá atrás, quando começou sua trajetória no futebol profissional, Tevez era um camisa 10 legítimo, um cara que conectava o meio-campo e o ataque e criava mais jogadas do que concluía. Com o passar do tempo, no entanto, ele foi jogando cada vez mais avançado até virar um autêntico atacante nos tempos de Manchester United e Manchester City.

JUAN ROMÁN RIQUELME
42 anos
Aposentado

Juan Román Riquelme - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Maior ídolo do Boca Juniors na era pós-Maradona, levou o time à conquista de três Libertadores e fez a alegria do antigo camisa 10, um torcedor fanático do clube. Física e tecnicamente, não tinha muito a ver com Diego. Riquelme é alto (1,83 m), atuava como um meio-campista mais clássico e sempre foi um jogador que preferiu os passes a driblar adversários. Mas o senso de liderança, o talento para jogar futebol, os frequentes confrontos com dirigentes e a história de sucesso construída no Boca, onde ocupa atualmente o posto de vice-presidente, fizeram com que ele também fosse chamado de "novo Maradona", ainda que sua bola pouco lembrasse a da estrela argentina.

CLAUDIO BORGHI
56 anos

Claudio Borghi - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Só quatro anos mais novo que Diego, foi possivelmente o primeiro jogador a ser chamado de "novo Maradona". As comparações eram muito óbvias. Borghi surgiu nas categorias de base do Argentinos Juniors, mesmo clube que revelou o camisa 10, despontou para o estrelato muito jovem, na metade da década de 1980, e foi negociado com um time de ponta da Europa, Milan. Além disso, fez companhia a "D10S" no elenco argentino que ganhou a Copa do Mundo-1986. Só que Borghi não conseguiu se firmar na Itália e retornou à América do Sul depois de apenas uma temporada na Europa. Em 1989, quando ainda gozava de boa fama, teve uma passagem pelo Flamengo, mas decepcionou. Ele trabalhou como técnico entre 2002 e 2016, conquistou quatro títulos chilenos com o Colo-Colo e chegou a ser eleito o melhor treinador do futebol sul-americano em 2006.

DIEGO LATORRE
51 anos

Diego Latorre - Reprodução - Reprodução
Imagem: Reprodução

Assim como Borghi, só brilhou no começo da carreira e passou longe, mas muito longe mesmo, de honrar as comparações com Maradona. Latorre despontou como craque no Boca Juniors, aos 17 anos, em 1987, logo depois de Diego destruir na Copa do Mundo-1986. Tratado como fenômeno, chegou à seleção, venceu a Copa América-1991 e se manteve em alto nível até 1992, quando foi negociado com a Fiorentina. Depois, viu seu futebol desabar até passar as últimas temporadas de sua carreira revezando-se entre a Guatemala e times pequenos do México. Depois da aposentadoria, virou um renomado comentarista esportivo da TV argentina.