PUBLICIDADE
Topo

Histórico

Rafael Reis

"Perfeito", Brasil fecha temporada de seleções como melhor do mundo em 2020

Jogadores da seleção comemoram gol contra o Uruguai, que manteve campanha perfeita do Brasil em 2020 - Raúl Martínez-Pool/Getty Images
Jogadores da seleção comemoram gol contra o Uruguai, que manteve campanha perfeita do Brasil em 2020 Imagem: Raúl Martínez-Pool/Getty Images
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

19/11/2020 04h00

Quatro jogos, quatro vitórias, 12 gols marcados, apenas dois sofridos e uma largada perfeita nas eliminatórias sul-americanas da Copa-2022. Em 2020, não há seleção no mundo melhor que a brasileira.

Dentre as 20 primeiras colocadas do ranking da Fifa, a equipe comandada por Tite foi a que colecionou os melhores resultados na temporada do futebol de seleções, encerrada ontem com o fechamento da fase de grupos da Liga das Nações da Europa.

O país pentacampeão mundial de futebol foi o único integrante da elite internacional da bola que venceu todas as partidas que disputou em 2020: 5 a 0 sobre a Bolívia, 4 a 2 contra o Peru, 1 a 0 ante a Venezuela e 2 a 0 frente ao Uruguai.

Quem mais se aproximou do desempenho brasileiro no período foi o México. Comandado por Tata Martino (ex-Barcelona), o time azteca conquistou um aproveitamento de 86,7% nos cinco amistosos que teve neste ano. Foram quatro vitórias (Guatemala, Holanda, Coreia do Sul e Japão) e um empate (Argélia).

Logo depois aparece a Argentina, a outra seleção invicta das eliminatórias da Conmebol. Messi e seus companheiros somaram 83,3% dos pontos disputados, com vitórias sobre Equador, Bolívia e Peru, além de um empate ante o Paraguai.

A melhor equipe europeia do ano ocupa apenas a quarta colocação. O posto é dividido entre Bélgica e França, que venceram seis dos oito jogos que disputaram nos últimos 12 meses, ostentam aproveitamento de 83,3% dos pontos e se classificaram para o Final Four da Liga das Nações.

A diferença de desempenho dos europeus em relação aos melhores sul-americanos e ao México tem duas explicações.

A primeira é o que o futebol de seleções voltou mais cedo da quarentena da pandemia da Covid-19 por lá. Enquanto Brasil e Argentina só atuaram quatro vezes em 2020, as potências do Velho Continente foram a campo o dobro de vezes.

Além disso, como a Liga das Nações é dividida em divisões de acordo com a força dos países, as equipes mais fortes da Europa praticamente só encaram pedreiras nesta temporada, o que aumenta a chance de resultados negativos.

A França, por exemplo, jogou seis vezes contra adversários que estão no top 20 da classificação da Fifa (Portugal, Suécia e Croácia). Os outros dois confrontos foram amistosos contra Ucrânia (23ª do planeta) e Finlândia (55ª).

Apesar de ter sido a melhor seleção de 2020, o Brasil ainda continua na terceira colocação do ranking da Fifa. Com 1725 pontos, permanece atrás da líder Bélgica (1765) e da atual campeã mundial, França (1752).

Líder das eliminatórias sul-americanas e única equipe ainda com 100% de aproveitamento na competição, o Brasil agora vai curtir umas férias de fim de ano e só volta a campo daqui a quatro meses.

Em março, a rodada dupla do qualificatório terá dois confrontos de peso para o time de Tite. Primeiro, contra a Colômbia, na casa do adversário. Depois, o clássico contra a Argentina, que será disputado na Arena Pernambuco.

Desempenho das seleções em 2020

Brasil - 100% de aproveitamento (4 jogos)
México - 86,7% de aproveitamento (5 jogos)
Argentina - 83,3% de aproveitamento (4 jogos)
Bélgica - 79,2% de aproveitamento (8 jogos)
França - 79,2% de aproveitamento (8 jogos)
Itália - 75% de aproveitamento (8 jogos)
Gales - 70,8% de aproveitamento (8 jogos)
Portugal - 70,8% de aproveitamento (8 jogos)
Dinamarca - 66,7% de aproveitamento (8 jogos)
Inglaterra - 66,7% de aproveitamento (8 jogos)
Alemanha - 54,2% de aproveitamento (8 jogos)
Espanha - 54,2% de aproveitamento (8 jogos)
Polônia - 54,2% de aproveitamento (8 jogos)
Holanda - 50% de aproveitamento (8 jogos)
Uruguai - 50% de aproveitamento (4 jogos)
Suécia - 44,4% de aproveitamento (9 jogos)
Chile - 33,3% de aproveitamento (4 jogos)
Colômbia - 33,3% de aproveitamento (4 jogos)
Croácia - 29,2% de aproveitamento (8 jogos)
Suíça - 14,3% de aproveitamento (7 jogos)