PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Rafael Reis


Rafael Reis

PSG acumula 8,3 bi em gastos em "projeto dos sonhos" antes de pegar zebra

Neymar comemora a classificação do PSG para as quartas de final - Reuters
Neymar comemora a classificação do PSG para as quartas de final Imagem: Reuters
Rafael Reis

Jornalista formado pela Universidade Estadual de Londrina e mestre em comunicação pela Fundação Cásper Líbero, foi repórter da Folha de S. Paulo por nove anos e mantém um blog sobre futebol internacional no UOL desde 2015.

12/08/2020 04h00

O Paris Saint-Germain está a três partidas de conquistar o inédito título da Liga dos Campeões da Europa e cumprir o objetivo traçado por um projeto que já consumiu mais de 1,3 bilhão de euros (R$ 8,3 bilhões).

É esse o valor que a equipe francesa, adversária da Atalanta, hoje (12), em Lisboa, na partida que inaugura as quartas de final da competição continental, desembolsou apenas com a compra/empréstimo de jogadores desde 2011.

Foi nesse ano que o PSG foi adquirido pela QSI (Qatar Sports Investiments), um fundo de investimentos ligado ao governo do país-sede da Copa do Mundo de 2022 que transformou o clube no mais poderoso da França e um dos mais ricos do planeta.

Desde então, não tem faltado dinheiro nos cofres parisienses. Em sete das nove temporadas já realizadas desde o início da parceria, a equipe superou a casa dos 100 milhões de euros (R$ 637 milhões) gastos em contratações.

O clube protagonizou os dois maiores negócios já vistos pelo futebol mundial. O brasileiro Neymar custou 222 milhões de euros (R$ 1,4 bilhão, na cotação atual). Já Kylian Mbappé saiu pela "bagatela" de 180 milhões de euros (R$ 1,1 bilhão).

Além da dupla, vários outros astros desembarcaram no Parc des Princes. O sueco Zlatan Ibrahimovic jogou lá de 2012 a 2016. O uruguaio Edinson Cavani, entre 2013 e este ano. Thiago Silva, Mauro Icardi, Marquinhos e Ángel di María ainda fazem parte do elenco.

Com tantas estrelas, os troféus se tornaram rotina. O PSG, que na "era pré-Qatar" só havia conquistado dois títulos franceses, foi campeão da Ligue 1 sete vezes nos últimos oito anos. Além disso, faturou 18 edições de Copas e Supercopas desde que enriqueceu.

Mas ainda falta a cereja do bolo. Na Liga dos Campeões, competição que se tornou obsessão no clube, não conseguiram ir além das quartas de final durante esta década. Nas três últimas temporadas, foi eliminado ainda mais cedo, nas oitavas.

Já nesta edição do torneio continental, a situação tem sido bem diferente. O time passou invicto e ficou à frente do Real Madrid na fase de grupos, eliminou o Borussia Dortmund na primeira rodada dos mata-matas decisivos e virou um candidato real ao título.

Faltam derrotar a Atalanta hoje, superar Atlético de Madri ou RB Leipzig na semifinal e desbancar Manchester City, Lyon, Barcelona ou Bayern de Munique na decisão do dia 23 de agosto, que será jogada no estádio da Luz, mesmo palco da partida que abre a fase final da Champions.

Quanto o PSG gastou com reforços temporada a temporada

2011/2012 - 107,1 milhões de euros
2012/2013 - 151 milhões de euros
2013/2014 - 135,9 milhões de euros
2014/2015 - 49,5 milhões de euros
2015/2016 - 116,1 milhões de euros
2016/2017 - 134,5 milhões de euros
2017/2018 - 238 milhões de euros
2018/2019 - 262 milhões de euros
2019/2020 - 95 milhões de euros
TOTAL: 1,3 bilhão de euros

Os reforços mais caros da história do PSG

1 - Neymar (A, BRA, 2017) - 222 milhões de euros
2 - Kylian Mvappé (A, FRA, 2018) - 180 milhões de euros
3 - Edinson Cavani (A, URU, 2013) - 64,5 milhões de euros
4 - Ángel di María (M, ARG, 2015) - 63 milhões de euros
5 - Mauro Icardi (A, ARG, 2020) - 50 milhões de euros
6 - David Luiz (Z, BRA, 2014) - 49,5 milhões de euros
7 - Javier Pastore (M, ITA, 2011) - 42 milhões de euros
Thiago Silva (Z, BRA, 2012) - 42 milhões de euros
9 - Leandro Paredes (V, ARG, 2018) - 40 milhões de euros
Lucas Moura (A, BRA, 2013) - 40 milhões de euros

Rafael Reis