PUBLICIDADE
Topo

Goleiro engole frango a 27 segundos, Corinthians vence e avança. Merecido!

Ederson, que fez 1 a 0, sai da marcação - Rodrigo Corsi/Paulistão
Ederson, que fez 1 a 0, sai da marcação Imagem: Rodrigo Corsi/Paulistão
Mauro Cezar Pereira

Mauro Cezar Pereira nasceu em Niterói (RJ) e é jornalista desde 1983, com passagens por vários veículos, como as Rádios Tupi e Sistema Globo. Escreveu em diários como O Globo, O Dia, Jornal dos Sports, Jornal do Brasil e Valor Econômico; além de Placar e Forbes, entre outras revistas. Na internet, foi editor da TV Terra (portal Terra), Portal AJato e do site do programa Auto Esporte, da TV Globo. Trabalhou nas áreas de economia e automóveis, entre outras, mas foi ao segmento de esportes que dedicou a maior parte da carreira. Lecionou em faculdades de Jornalismo e Rádio e TV. Colunista de O Estado de S. Paulo e da Gazeta do Povo, desde 2004 é comentarista dos canais ESPN.

30/07/2020 21h03

Um chute fraco aos 27 segundos, um gol em frango do goleiro, um novo cenário e a vitória do grande em má fase sobre o organizado novato que pretende crescer. Assim começou a ser desenhada a justa vitória do Corinthians sobre o Red Bull Bragantino, que colocou o tricampeão paulista nas semifinais do Estadual.

O Corinthians foi beneficiado pela falha grotesca de Júlio César, o arqueiro que não inspirava confiança e motivou a contratação de Cássio, hoje um ídolo histórico do clube de maior torcida em São Paulo. O gol de Éderson com menos de um minuto de partida estabeleceu uma nova ordem.

Ao contrário do melancólico segundo tempo contra o Palmeiras, os corintianos assumiram a vantagem e mantiveram uma postura, digamos, compatível. Foram 52% de posse de bola no primeiro tempo e oito finalizações ante nove do Red Bull Bragantino, além de 240 passes contra 219.

Ao todo, a equipe alvinegra havia somado apenas 14 finalizações nos dois jogos anteriores nesta fase após a parada do futebol, oito contra o Palmeiras e somente seis diante do Oeste. Dessa vez foram 13, com altíssimo índice de aproveitamento, por sinal, segundo as estatísticas do SofaScore.

O gol de cabeça de Jô no segundo arremate do Corinthians no alvo decretou a classificação. Dirão que a camisa pesou, e é claro que sim. Não podemos ignorar o que significa a história do clube e sua assiduidade em cotejos dessa natureza na comparação com o adversário da vez.

A presença corintiana na semifinal dá mais do que fôlego a Tiago Nunes, que na noite fria no Morumbi se desvencilhou do esquema à moda Carille, como foi rotulada sua estratégia diante dos palmeirenses e até em momentos do confronto contra o Oeste. O time jogou, controlou a vantagem e avançou.

Ao time de Bragança Paulista, uma lição básica: não adianta toda a filosofia de jogo, estrutura, investimento e os métodos de trabalho, detalhados pelo CEO Thiago Scuro em entrevista ao blog, se não for feita a melhor escolha para o chamado "cargo de confiança". É o caso de quem joga no gol.

follow us on Twitter follow me on youtube follow me on facebook follow us on instagram follow me on google plus

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL