PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Maurício leva camisa a Bolsonaro e Eduardo diz que 13 não é monopólio do PT

Maurício Souza e Eduardo Bolsonaro - Reprodução/Instagram
Maurício Souza e Eduardo Bolsonaro Imagem: Reprodução/Instagram
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

24/08/2021 16h40

O central da seleção brasileira de vôlei Maurício Souza visitou hoje (24) o Palácio do Planalto, onde se reuniu com o presidente Jair Bolsonaro, e esteve também na Câmara dos Deputados, onde se encontrou com o deputado federal Eduardo Bolsonaro. O campeão olímpico da Rio-2016 entregou a eles um exemplar de sua camisa na seleção, com o número 13, que nas urnas é o número do PT.

O deputado federal, que também é filho do presidente, posou com a camisa, mas não deixou de citar esse detalhe. "Quem disse que 13 é monopólio do PT?", questionou pelos stories do Instagram. No autógrafo na camisa, porém, Maurício colocou o número 17, ainda que ele historicamente use a camisa 13 em clubes e na seleção. O central jogava por Taubaté, mas já fechou com o Minas para a próxima temporada.

Nas fotos do encontro com Jair Bolsonaro é possível ver que Maurício levou ao presidente a medalha de ouro conquistada na Rio-2016 e também uma camisa da seleção brasileira, do modelo usado na Liga das Nações, com o patrocínio do Banco do Brasil. O encontro não consta na agenda do presidente e não foram postadas, nem por Maurício nem por Bolsonaro, fotos deste com a camisa.

Bolsonaro quebrou uma tradição de anos e não recebeu os atletas brasileiros que foram aos Jogos Olímpicos de Tóquio antes da competição e até agora, mais de duas semanas depois da cerimônia de encerramento, também não os recebeu na volta. Tradicionalmente o presidente oferece uma recepção aos medalhistas, algo que fizeram, por exemplo, o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD) e o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB).

O presidente praticamente não tratou sobre os Jogos Olímpicos nas últimas semanas, exceto por um vídeo falando exatamente de Maurício Souza, um dos atletas que mais explicitamente defende o presidente nas redes sociais. Antes da eleição de 2018, o central chegou a fazer 17 com as mãos em uma foto da seleção, junto com o oposto Wallace, que festejou o encontro de hoje no Instagram do colega.