PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Brasil é bronze por equipes e fecha Mundial de judô com 3ª medalha

Brasil conquista bronze por equipes no mundial de judô - Divulgação/CBJ
Brasil conquista bronze por equipes no mundial de judô Imagem: Divulgação/CBJ
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

13/06/2021 14h16

O judô brasileiro conquistou hoje (13), no último dia do Mundial, a sua terceira medalha na competição, a terceira de bronze. O triunfo desta vez veio na prova por equipes mistas, que agora é disputa olímpica.

A competição conta com seis atletas, entre homens e mulheres, em cada equipe. Assim, são seis lutas e, se houver empate em 3 a 3, um sétimo confronto é definido por sorteio.

Em Budapeste, o Brasil estreou vencendo com Cazaquistão, mas perdeu nas quartas de final para o Uzbequistão. Na respescagem, passou sem sustos pela forte Geórgia.

A disputa pelo bronze foi contra o time que representa a Rússia, suspensa do esporte internacional como país. Eduardo Katsuhiro perdeu o primeiro confronto, mas Maria Portela empatou. Rafael Macedo também perdeu a dele e de novo coube a uma mulher empatar: Bia Souza.

Na quinta luta, David Moura foi escalado para lutar e colocou o Brasil na frente. O bronze veio no último confronto, com imobilização de Ketleyn Nascimento.

Em Tóquio, porém, o Brasil deverá ter dificuldades nessa prova. É que Ketleyn não conseguiu vaga, Rafaela Silva está suspensa, e o país não terá representantes na categoria até 57kg, que faz parte da disputa por equipes. Provavelmente Larissa Pimenta, da modalidade até 52kg, terá que lutar contra atletas mais pesadas.

Com esse bronze por equipes, o Brasil fecha o Mundial com três medalhas bronzeadas. As outras duas foram de Bia Souza e Maria Suelen Altheman, no peso pesado. A comissão técnica deve definir nas próximas horas qual das duas vai a Tóquio. Suelen deve ser a escolhida, para ir à sua terceira Olimpíada.