PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Yasmin, Charles, vegetarianismo: como racha na família afeta Gabriel Medina

Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

20/04/2021 04h00

A história do surfista bicampeão mundial Gabriel Medina é também a história da família Medina. Sempre foi. O padrasto Charles, a quem Gabriel trata por pai, que o iniciou no surfe e, como treinador, o ajudou a se tornar o melhor do mundo. A mãe, Simone, que cuida dos negócios e do Instituto Gabriel Medina, referência em Maresias. Sophia, a filha caçula, a pupila que segue os passos do irmão mais velho e logo chega ao Circuito Mundial.

Desde o ano passado, essa família ganhou uma nova personagem: a influencer e modelo Yasmin Brunet, 32 anos, com quem o surfista de 27 passou a se relacionar no começo de 2020 e com quem ele se casou em dezembro, no Havaí, sem o conhecimento dos pais dele. Concomitante a isso veio um racha familiar que afastou Gabriel dos pais, a ponto de ele, pela primeira vez na carreira, deixar de ser treinado por Charles.

Essas desavenças são públicas desde que, em fevereiro, o jornal Extra publicou que o casamento de Gabriel e Yasmin havia "gerado uma crise" entre ele e os pais e todos haviam deixado de se seguir nas redes sociais. No fim de semana, porém, a novela ganhou repercussão depois que a infuencer Bruna Bordini, cunhada de Gabriel, revelou que ela e o marido, Felipe, haviam sido expulsos da casa dos sogros. Yasmin saiu em defesa da cunhada.

Dependendo de quem conta a história, a pivô da crise familiar é uma. Por um lado atribui-se a responsabilidade a Simone Medina, que teria reagido à perda de influência sobre ambos os filhos com a chegada de novas noras. Do outro, no que diz respeito às desavenças ligadas ao surfista, está Yasmin, que teria influenciado Gabriel em decisões que desagradaram a família, incluindo o casamento no Havaí.

Siga o Olhar Olímpico no Twitter e no Instagram e receba atualizações diárias no canal do Telegram.

Oficialmente, a explicação é que o pai deixou de treinar o filho para se dedicar à preparação de Sophia, de 15 anos, que é campeã nacional sub-16 e sub-18 e deve começar a carreira profissional tão logo os torneios de acesso do Circuito Mundial sejam retomados. Desde o mês passado, Gabriel é treinado pelo australiano Andy King. E a mudança deu resultado. Em duas etapas, ambas na Austrália, Medina chegou a duas finais. Já na madrugada de hoje (pelo horário brasileiro), em North Narrabeen, ele faturou o título com notas 9,27 e 9,50. Agora, ele lidera o ranking da WSL com 25.600 pontos, contra 19.405 de Ítalo Ferreira e 14.650 de John John Florence.

Fogo cruzado?

Para uma pessoa que conhece bem Gabriel Medina, ele está vivendo uma "adolescência tardia". O surfista saiu da casa dos pais há quase 10 anos, mas sempre teve uma relação muito próxima a Simone e Charles, que não é seu pai biológico, mas a quem ele chama de pai.

Desde que se tornou famoso, seus relacionamentos sempre foram acompanhados de perto pela família, ou considerados efêmeros. Com Yasmin foi diferente. Ela ficou 8 anos casada com o modelo Evandro Soldati, de quem se separou no começo de 2020. Pouco tempo depois, já estava se relacionando com Gabriel e, em momento de restrição de circulação, passou a morar com ele. O surfista, porém, demorou mais de seis meses para apresentar a nova namorada a Charles e Simone, apesar da proximidade entre as duas casas em Maresias.

Em outubro, como forma de aproximar a então namorada e a família, Medina levou todos para uma viagem exuberante às ilhas Maldivas. Mas a viagem só serviu para evidenciar quanto Simone e Yasmin são diferentes. Sogra e nora não criaram intimidade e, de acordo com pessoas próximas, passaram a rivalizar pela influência sobre o surfista.

Dois conflitos explicam essa relação. Um é religioso. Simone é evangélica e a nora não demonstrou interesse em professar a mesma fé. Pior: Yasmin é bastante ligada a esoterismo, o que a sogra repudia, a ponto de deixar de seguir filho e nora nas redes sociais.

Já Yasmin é vegetariana e, no entender da família, teria influenciado Gabriel a seguir pelo mesmo caminho, cortando carne vermelha e de frango. Na casa dos Medina, Charles não come carne vermelha há duas décadas e Simone é fã de churrasco, mas havia o entendimento de que Gabriel surfa melhor comendo carne. Por essa versão, a postura de Yasmin afetaria a carreira esportiva de Gabriel, tão cuidadosamente tratada pela família ao longo de tantos anos. No fim, a decisão sobre a própria alimentação, é claro, é do surfista.

Charles e Medina

Com o prolongamento da falta de sintonia entre Simone e Yasmin, Gabriel acabou se afastando da mãe e, consequentemente, do padrasto. com quem sempre teve relação muito intensa. Charles era seu companheiro desde que o surfista começou a rodar o mundo praticando o esporte, e era o primeiro a erguê-lo no ombro cada vez que Medina é campeão.

Essa relação, porém, mudou. Aos 27 anos, Gabriel agora é um homem casado, que viaja ao lado da esposa. Nesse contexto, não caberia mais a presença do pai, que sempre teve ascendência muito forte — e rígida — sobre os rumos da carreira profissional do filho. Não havia clima para Charles e Gabriel continuarem a ter relação treinador/atleta. O rompimento profissional, que cedo ou tarde aconteceria, tornou-se necessário.

Foi nesse contexto que Gabriel foi atrás de um novo treinador, o australiano Andy King, ex-técnico do tricampeão mundial Mick Fanning. Em entrevista ao site da WSL, o surfista deu a seguinte explicação: "Quero deixar meu pai fazer o trabalho com minha irmã, ela precisa mais do que eu agora. Estou envelhecendo e sinto que posso fazer isso sozinho. Ter Andy ao meu lado realmente dá mais confiança, porque ele é um grande surfista, ele entende muito sobre surfe e, sim, tem sido divertido".

Nas redes sociais, porém, Gabriel deixou de seguir não apenas a mãe, mas também o pai, a quem tinha, o que no mundo do surfe se considerava uma quase devoção, que sempre foi recíproca. Esportivamente, agora cada um vai seguir seu caminho.

Enquanto acontecia a segunda etapa da temporada, uma mudança no comportamento de Medina já era notada na comunidade do surfe. Nos últimos dias, o surfista participou de uma celebração entre os brasileiros que competem na Austrália e chegou a bater bola com eles, algo tido como impensável na gestão Charles. Basta lembrar que, em 2019, orientado pelo treinador, Medina entrou propositalmente em uma onda do compatriota Caio Ibelli, no que foi descrito pelo rival como um "jogo sujo".

Na água, Medina vai bem. Nessa madrugada ele ganhou na Austrália a etapa de North Narrabeen da Liga Mundial de Surfe. O brasileiro é o líder do ranking mundial na atual temporada.