PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Por que jogos estão mantidos em Brasília apesar de decisão proibindo-os

Taça da Supercopa do Brasil; decisão será no Estádio Mané Garrincha, em Brasília - Lucas Figueiredo/CBF
Taça da Supercopa do Brasil; decisão será no Estádio Mané Garrincha, em Brasília Imagem: Lucas Figueiredo/CBF
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

08/04/2021 20h27

A Procuradoria-Geral do Distrito Federal (PGDF) já entrou com recurso para tentar reverter a decisão monocrática do desembargador Souza Prudente que suspendeu os efeitos do decreto do governador Ibaneis Rocha (MDB) que autorizava a reabertura do comércio e a volta de eventos esportivos no Distrito Federal. Pela decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), jogos estão proibidos em Brasília, uma vez que voltam a vigorar as regras que existiam até 28 de março. A cidade está prestes a receber a final da Supercopa do Brasil, entre Flamengo e Palmeiras, e da Recopa Sul-Americana.

Mesmo assim, o NBB está realizando normalmente os jogos programados para hoje no ginásio da ASCEB, em Brasília, onde a liga de basquete levou mais de 30 partidas, de todos os 16 times do torneio, para serem jogadas em menos de duas semanas. A decisão do TRF-1 saiu enquanto Mogi e Brasília se enfrentavam. Depois dela, o Bauru venceu a Unifacisa e Corinthians e Campo Mourão entraram em quadra às 19h para o terceiro e último jogo do dia.

Até pelo menos as 20h de hoje, enquanto este texto está sendo escrito, o único jogo de amanhã, entre Cerrado e Pinheiros, às 16h, está confirmado, apesar da proibição. "A LNB não foi intimada de nenhuma decisão proferida nesse processo. A LNB só vai se manifestar quando tiver informação oficial sobre a possibilidade, ou não, de realização do NBB em Brasília", explicou a liga, em nota. Responsável pela fiscalização, a secretaria DF Legal não respondeu se considerava que os jogos podem ocorrer.

Tanto no esporte quanto em Brasília, é tido como muito provável que a decisão de Souza Prudente seja derrubada em decisão colegiada do TRF1 em pouco tempo. Prova disso é que o Candangão, campeonato distrital de futebol, não alterou a tabela de jogos da última rodada da fase de grupos, que prevê Capital x Taguatinga amanhã (9) e outros cinco jogos no sábado.

Brasília é o palco de um jogo importante no domingo: Flamengo e Palmeiras, no Mané Garrincha, pela Supercopa do Brasil. Para o mesmo estádio também estão marcados os duelos, entre Santos e San Lorenzo, na terça-feira, pela terceira fase preliminar da Libertadores, e entre Palmeiras e Defensa y Justicia, pela volta da Recopa Sul-Americana, na quarta.

Apesar da confiança de que o governo do Distrito Federal vai conseguir reverter o lockdown na Justiça, a LNB também entrou com uma petição pedindo para que seus jogos sigam autorizados. No pedido, feito já na semana passada, a liga solicitou uma audiência de conciliação, para mostrar que a segurança dos protocolos do NBB.

O Olhar Olímpico apurou que outro caminho para que os jogos sejam realizados em Brasília seria um decreto do governador Ibaneis determinando mais detalhadamente o que o esporte precisa fazer para funcionar no Distrito Federal. Seria uma forma de respeitar a decisão judicial que sustou o decreto que permitia a reabertura da região em 29 de março e, ao mesmo tempo, garantir a programação esportiva.