PUBLICIDADE
Topo

Olhar Olímpico

Atletas anunciam que não reconhecem autoridade de presidente do handebol

Manoel Luiz Oliveira, presidente da Confederação Brasileira de Handebol - Reprodução
Manoel Luiz Oliveira, presidente da Confederação Brasileira de Handebol Imagem: Reprodução
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

30/09/2020 19h24

A comissão de atletas do handebol e diversas federações estaduais soltaram nota hoje (30) anunciando que, desde domingo (27), não reconhecem Manoel Luiz Oliveira como presidente da Confederação Brasileira de Handebol (CBHb). O Conselho de Administração da entidade, presidido pelo ex-CEO da Copa do Mundo, Ricardo Trade (o Baka), se recusa a cumprir decisão judicial que determinou o afastamento de Oliveira.

Essa decisão foi tomada em audiência do Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF) no último dia 10 de setembro e foi amplamente noticiada. De acordo com os atletas, Manoel foi devidamente intimado no dia 17 de setembro e o prazo para o cumprimento da decisão judicial se encerrou no último minuto do dia 27 de setembro.

Mesmo assim, porém, o Conselho de Administração se recusa a afastar Manoel. Os membros do órgão, que decidiram que não darão entrevistas, alegam que estão sendo orientados pelo advogado da confederação, que, por sua vez, é um velho aliado de Manoel. Ontem (29), o presidente assinou circular sobre o Campeonato Brasileiro, confirmando que segue no cargo. Foi o estopim a crise estourar.

"Ficamos estarrecidos com o ato de extrema desobediência à decisão judicial, por parte do ex-presidente afastado, que insiste em desafiar as autoridades judiciais. (Assim), mais uma vez expõe e prejudica todo o handebol brasileiro, que aguarda ansiosamente o momento de se ver livre do comando deste dirigente, e que se tome posse o vice-presidente de direito, para que logo convoque as novas eleições", diz a carta dos atletas, assinada também por federações mais próximas a Ricardo Souza, o Ricardinho, primeiro vice, suspenso por dois anos pelo Conselho de Ética do COB por assediar sexual e moralmente uma funcionária durante o Pan de Lima.

Manoel é aliado do presidente do COB, Paulo Wanderley, e subscreveu sua chapa na eleição do COB, que será realizada na semana que vem. Mesmo sabendo que, se Manoel votar pela CBHb, a eleição poderá ser contestada judicialmente, o COB lava as mãos. Questionado pelo blog ontem sobre continuar reconhecendo documentos assinados pelo presidente afastado judicialmente, o comitê disse somente que "ainda não foi informado oficialmente pela CBHb sobre o afastamento de Manoel Oliveira".

Os autores da ação que culminou com a decisão de afastar Manoel acionaram de novo o TRF5, que respondeu a consulta do blog afirmando que "o relator do processo, desembargador federal Rogério Fialho, está aguardando a conclusão dos autos para apreciar a petição em que é alegado o descumprimento da decisão judicial".