PUBLICIDADE
Topo

Campanha com Medina, Guga e Hortência quer R$ 10 milhões em doações

Campanha de atletas quer arrecadar R$ 10 milhões - Divulgação
Campanha de atletas quer arrecadar R$ 10 milhões Imagem: Divulgação
Demétrio Vecchioli

Demétrio Vecchioli, jornalista nascido em São Roque (SP), é graduado e pós-graduado pela Faculdade Cásper Líbero. Começou na Rádio Gazeta, foi repórter na Agência Estado e no Estadão. Dedicado à cobertura de esportes olímpicos, escreveu para o UOL, para a revista Istoé 2016, foi colunista da Rádio Estadão e, antes do Olhar Olímpico, manteve o blog Olimpílulas. Neste espaço, olha para os protagonistas e os palcos do esporte olímpico. No Olhar Olímpico têm destaque tanto os grandes atletas quanto as grandes histórias. O olhar também está sobre os agentes públicos e os dirigentes esportivos, fiscalizados com lupa. Se você tem críticas, elogios e principalmente sugestões de pautas, escreva para demetrio.prado@gmail.com

12/05/2020 04h00

Idealizada por Flávio Canto, uma campanha com diversos nomes de peso do esporte brasileiro pretende arrecadar R$ 10 milhões para comprar cestas básicas e distribuir a 33 mil famílias durante três meses. A iniciativa conta com o apoio de Bernardinho, Daiane dos Santos, Diego Ribas (meia do Flamengo), Gabriel Medina, Guga Kuerten, Hortência, Lars Grael e Rodrigo 'Minotauro' Nogueira.

Canto lançou o que ele vinha chamando de "primeira onda" da campanha, uma iniciativa ligada ao seu Instituto Reação que assegurou cestas básicas para 2 mil famílias beneficiadas por sua ONG. Agora, a "segunda onda" tem diversos atletas de renome, muitos também líderes de entidades de apoio ao esporte e a pessoas carentes.

Nessa segunda fase, o projeto passa a ter diversos patrocinadores de peso, como o Itaú e o BV, além de empresas de mídia como o SporTV, que vem veiculando a campanha por doações. A meta é arrecadar R$ 10 milhões, o que permitiria a distribuição de R$ 100 mensais para 33 mil famílias durante três meses. Esse é o custo de uma cesta básica de alimentos e de uma cesta com produtos de higiene e limpeza.

Siga @Olhar_Olimpico

A proposta é que o valor seja entregue aos beneficiários não em forma de cesta básica, mas de cartões vale alimentação, com carregamento automático por outros dois meses. Além das instituições ligadas aos nove atletas, também serão beneficiadas outras comunidades pelo Brasil, em parceria com a Rede Esporte pela Mudança Social (REMS), espécie de associação das ONG's voltadas ao esporte, e a Unesco.

Olhar Olímpico