PUBLICIDADE
Topo

Diego Garcia

ANÁLISE

Texto baseado no relato de acontecimentos, mas contextualizado a partir do conhecimento do jornalista sobre o tema; pode incluir interpretações do jornalista sobre os fatos.

VAR anula reação do Santos e pressiona acerto com técnico

Bragantino x Santos, pelo Paulistão - Divulgação/Santos
Bragantino x Santos, pelo Paulistão Imagem: Divulgação/Santos
Diego Garcia

Repórter desde 2010, passou por Folha de S. Paulo, ESPN, Terra e Placar. Ganhou dois prêmios Aceesp (2014 e 2016) e foi indicado aos prêmios Comunique-se (2019), República (2017, 2018 e 2021), Folha (2018 e 2019) e Fenacor (2020). Cobriu Copa do Mundo, Olimpíadas, Mundial de Clubes e outros grandes eventos. Contato: garciadiegosilva@gmail.com

Colunista do UOL

02/05/2021 04h00

O VAR anulou um golaço do criticado Jean Mota que teria ajudado o Santos a respirar da crise em que se encontra atualmente. O gol, aos 16 do segundo tempo, seria o da virada contra o Bragantino e quebraria o jejum de quatro jogos sem vencer. Daria ainda um alívio à diretoria do clube, que agora se vê em situação delicada nos dois torneios em disputa - Libertadores e Paulista - e precisando acertar com um novo treinador.

Na Libertadores, ainda sem pontuar, o Santos tem partida decisiva nesta terça contra o The Strongest. Uma derrota fará o clube ter chances mínimas de classificação às oitavas. No Paulista, uma vitória do Guarani contra o Novorizontino neste domingo deixa o Santos a quatro pontos da zona de classificação, com seis pontos ainda em disputa, sendo que na quinta terá o clássico contra o Palmeiras.

Na Vila, o clima é de apreensão. Tanto que o Comitê de Gestão do clube vem batendo cabeça, sem consenso nas decisões. Neste sábado, um dos membros desrespeitou a escolha da maioria na negociação por Klauss Câmara para o cargo de executivo de futebol e mudou os votos dos demais. Assim, o nome foi descartado.

Já existe pressão também pela definição de um novo treinador. Segundo bem informou a repórter Gabriela Brino, Fernando Diniz e Lisca são dois dos nomes discutidos no clube. Oferecido na última semana, Diniz virou o favorito do momento. Desempregado, seria um acerto fácil e que não exigiria reforços caros. De quebra, quer trabalhar no clube. Seria interessante ver o trabalho do treinador na Vila, com jovens e jogo ofensivo.

Por outro lado, a influência do empresário Jorge Machado nos corredores da Vila Belmiro pode ser um trunfo para Lisca. O agente tem bom trânsito no clube desde a gestão Peres e também trabalha com o atacante Marinho, que é influente no vestiário e já foi treinado por Lisca. Pesa contra o técnico o fato de estar atualmente empregado, no América-MG. Mas ele vê com bons olhos a ida ao Santos.

Jorge Machado, inclusive, também trabalha com Felipão e já havia tentado levar o técnico ao Santos no passado. Voltou a sugerir o nome do treinador dessa vez - por enquanto, não é um dos favoritos.

Segundo o colunista Bruno Andrade, Guto Ferreira, atualmente no Ceará, foi outro nome sugerido ao Santos na semana passada.

Enquanto isso, com Marcelo Fernandes de interino, o Santos viu o VAR impedir uma vitória de virada neste sábado, ao anular um golaço de Jean Mota, que de fora da área colocou no ângulo do Bragantino. O gol foi cancelado por questão de milímetros. De acordo com o árbitro, Marinho, que participou do início do lance, estava impedido.

O jogo mostrou que o Santos tem muito a melhorar. No primeiro tempo, viu o Bragantino tomar conta na maior parte dos 45 minutos. Um erro grotesco de Pará, desarmado próximo à área de defesa, caiu como um presente para Claudinho abrir o placar, contando ainda com desvio em Luan Peres.

No segundo tempo, o Bragantino, que vem de jogo difícil no Equador, deu sinais de cansaço. Já classificado, pareceu poupar esforços para a Sul-Americana - na quarta, enfrenta o Talleres. Assim, o Santos aproveitou e empatou ainda no primeiro minuto, em belo gol de Lucas Braga.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL