PUBLICIDADE
Topo

Danilo Lavieri

Após técnicos "estrelas", Abel encanta Palmeiras por fugir dos holofotes

Abel Ferreira dá instruções para Mayke durante Palmeiras x Grêmio - Cesar Greco
Abel Ferreira dá instruções para Mayke durante Palmeiras x Grêmio Imagem: Cesar Greco
Danilo Lavieri

Danilo Lavieri começou a carreira em 2008 e trabalha com futebol desde 2010. Já cobriu Copa, Olimpíada, escreveu a biografia do goleiro Marcos (Nunca Fui Santo) e ganhou prêmio de furo do ano da Aceesp em 2019.

Colunista do UOL

19/01/2021 11h33

O Palmeiras vive uma lua de mel com Abel Ferreira. Garantido na final da Copa do Brasil e na da Libertadores, o Alviverde ainda passou por cima do Corinthians ontem e manteve vivo o sonho de brigar também pelo Brasileirão. E a admiração pelo técnico aumenta a cada dia que passa entre jogadores, membros da comissão técnica fixa e funcionários do clube.

O que mais encanta os ouvidos por esse blog é o perfil do português de não querer estar nos holofotes, postura que é oposta ao que era visto nos últimos treinadores que passaram pelo Palestra Itália: Vanderlei Luxemburgo, Mano Menezes e Luiz Felipe Scolari.

Os três têm características parecidas na hora de responder às perguntas em coletiva de imprensa e no comportamento na beira do gramado. Normalmente, estão nas manchetes por frases de impacto e que, por vezes, mexem com o ambiente no vestiário. É normal que eles sejam considerados tão estrelas quanto os jogadores.

Com Abel, é o oposto. O discurso mostrado na coletiva com expressões que já viraram sua marca como "não tem eu, tudo aqui é nós" é exaustivamente repetido por ele nas preleções e nos treinamentos. Os atletas não enxergam no comandante a vontade de estarem acima do grupo, nem mesmo acima de seus auxiliares.

Entre os que têm mais tempo de Palmeiras, o destaque é o esforço do português para atingir um objetivo que ele bate na tecla desde a sua chegada: "falar a língua dos adeptos".

Claro que o clima de vitória ajuda que o discurso seja comprado pelos atletas, mas as orientações do comandante são classificadas como diferentes de seus antecessores. Zé Rafael e Gustavo Scarpa são dois dos que já falaram publicamente sobre o tema, mas a impressão é geral. Em nenhum outro momento os atletas entravam em campo sabendo exatamente o que precisavam fazer e tão orientados de acordo com o rival.

Recentemente, o que também ganha elogios nos bastidores é o fato de o time ter reagido rapidamente após o péssimo jogo contra o River Plate. Depois de ter sido amassado em casa e ter garantido a classificação por causa dos 3 a 0 na ida, o Alviverde fez um bom jogo contra o Grêmio e um clássico incrível contra o arquirrival.

O jogo contra o Flamengo é mais um marco na trajetória de Abel no Palmeiras, que tem no dia 30 o jogo mais importante da sua vida apesar de estar no comando do clube há pouco mais de 20 partidas.