PUBLICIDADE
Topo

Sandra Caselato

Se equilibrando na bicicleta da vida

Sonho com o dia em que as mulheres estejam em pé de igualdade com os homens - mediamasmedia/Getty Images
Sonho com o dia em que as mulheres estejam em pé de igualdade com os homens Imagem: mediamasmedia/Getty Images
Sandra Caselato

Sandra Caselato, formada em artes plásticas e psicologia, é uma exploradora dos processos psicológicos e das relações humanas. Está sempre em busca de experiências que contribuam com a transformação pessoal e de outras pessoas. Especialista em Comunicação Não-Violenta, atua com desenvolvimento humano há mais de 20 anos.

01/12/2020 04h00

Domingo saí para uma caminhada numa praça perto de casa e lá estava ela, uma mulher em seus trinta e poucos anos aprendendo a andar de bicicleta. Uma cena inusitada e inspiradora. Ela contava com a ajuda de um homem, que pacientemente caminhava ao seu lado, segurando a bicicleta enquanto ela tentava se equilibrar.

Todo domingo costumava acontecer nesta praça uma feira orgânica, que voltou a ocorrer recentemente depois de uma pausa devido ao Covid-19. Agora as barracas estão mais afastadas, todo mundo usa máscara e há álcool gel em todo lugar. Foi gostoso ver pessoas ao ar livre em atividades que se aproximam um pouco de uma volta à normalidade pré-pandemia, apesar do aumento recente e preocupante do número de casos de pessoas infectadas.

Fiquei umas duas horas na praça, entre caminhar e comprar hortaliças. Quando estava indo embora, o casal ainda estava lá, firme e forte na tarefa de aprender a andar de bicicleta. Pareciam se divertir numa cumplicidade tranquila e respeitosa. Ele dava algumas dicas e ela persistia com afinco.

Domingo também fui votar no segundo turno das eleições para prefeito em São Paulo. Muita gente aglomerada no mesmo local, com pouca preocupação em relação ao distanciamento. Aos poucos me parece que as pessoas estão relaxando, o medo está passando e as medidas de segurança diminuindo.

Tenho ouvido muitos amigos e conhecidos comentando que depois de viajar com a família ou participar de algum evento presencialmente várias pessoas ou eles mesmos testaram positivo para o coronavírus.

Em áudio que tem circulado pelas redes sociais, o médico Marcos Knobel, vice-presidente do Hospital Israelista Albert Einstein, fala de sua preocupação em relação ao aumento de casos de Covid-19 e do risco de uma segunda onda.

Ainda no fim de semana recebi a triste notícia da morte inesperada de uma conhecida, uma mulher incrível, entusiasmada com a vida, que trazia contribuições significativas para o mundo. Um dia passou mal, foi para o hospital e morreu algumas horas depois. Assim de repente, de uma hora para outra, com suspeita de Covid-19.

Sua morte me impactou e me fez lembrar de uma conversa que tivemos anos atrás, sobre como muitas mulheres passam a viver a vida mais plenamente, talvez pela primeira vez, depois que seus filhos crescem e após se separarem de seus maridos, como aconteceu com ela.

Já ouvi de tantas mulheres relatos de que após anos se dedicando aos filhos e ao marido, recebem com surpresa, na meia idade, um pedido de divórcio. Depois de perder o chão e finalmente conseguir se recuperar, muitas vezes voltam a estudar, vão viajar e mergulham no autoconhecimento. Talvez pela primeira vez a prioridade em suas vidas passa a ser elas mesmas. No início não sabem muito bem o que fazer com isso, não estão muito acostumadas a olhar para si mesmas, seus sentimentos, suas vontades, seus desejos e necessidades. Mas aos poucos vão se encontrando nesta nova jornada de autodescoberta onde elas mesmas começam a decidir seu próprio caminho.

Acredito que a vida como mãe e esposa possa ser significativa e feliz, mas lamento que tantas mulheres não conseguem também desenvolver outras de suas potencialidades ao mesmo tempo em que desempenham esses papéis.

Me entristece saber que tantas mulheres ainda hoje vivem como que pela metade, se deixando de lado, em função de imposições sociais internalizadas que as colocam em segundo plano, vivendo mais em função dos outros do que de si mesmas.

Semana passada (25 de novembro) foi o Dia Internacional de Combate à violência contra a mulher, que não é apenas direta ou física - o tipo mais visível e conhecido de violência. Ela é também estrutural, cultural e simbólica - uma violência indireta e mais difícil de identificar, que está embutida na cultura patriarcal, machista e misógina na qual vivemos e que coloca as mulheres em segundo lugar em relação aos homens.

Sonho com o dia em que as mulheres estejam em pé de igualdade com os homens e que possam viver suas vidas (assim como eles) se colocando em primeiro plano, com apoio e suporte de seus companheiros, da mesma forma que a mulher que vi na praça aprendendo a andar de bicicleta com ajuda de seu parceiro.