PUBLICIDADE
Topo

Renault lançará compartilhamento de carros em setembro, na França

Hatch elétrico Zoe é um dos modelos da marca que já estão em ações de compartilhamento - Murilo Góes/UOL
Hatch elétrico Zoe é um dos modelos da marca que já estão em ações de compartilhamento
Imagem: Murilo Góes/UOL

Gilles Guillaume

Em Paris (França)

05/07/2018 04h00

Projeto vai substituir o defasado -- e abandonado -- Autolib

A Renault anunciou nesta quarta-feira que planeja lançar em setembro um serviço de compartilhamento de carros que abrange a capital francesa e seus arredores.

O movimento -- que a rival Peugeot também está fazendo -- vem para substituir o Autolib, o serviço de compartilhamento de carros elétricos comandado pelo grupo Vincent Chollore, que foi recentemente abandonado pelas autoridades locais.

Veja mais

UOL Carros conta história dos 15 anos do motor flex
Quer negociar hatches, sedãs e SUVs? Use a Tabela Fipe

Inscreva-se no canal de UOL Carros no Youtube
Instagram oficial de UOL Carros
Siga UOL Carros no Twitter

A Renault já oferece um serviço de compartilhamento de carros na França chamado "Renault Mobility", além de ter outras 500 unidades do hatch elétrico Zoe disponíveis em Madri (Espanha). A montadora informou que espera ter mais de 2 mil veículos disponíveis para o serviço de compartilhamento de carros em Paris.

A prefeita da capital francesa, Anne Hidalgo, também disse em uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira que outras empresas manifestaram interesse em planos de se envolver em um projeto de compartilhamento de carros para a cidade. A Peugeot lançará durante o último trimestre de 2018 um esquema de compartilhamento de carros em Paris, disse a montadora no início desta semana.

Lançado em 2011, o Autolib tem 150 mil usuários ativos e seus pequenos carros prateados tornaram-se uma visão familiar nas ruas de Paris.

Mas problemas com limpeza, estacionamento, disponibilidade e a concorrência de outros meios de transporte, como o Uber, empurraram o serviço para o vermelho, com prejuízos de 293 milhões de euros esperados até 2023.