Topo

Testes e lançamentos


Testamos: Volvo S60 é luxuoso e bom de guiar, mesmo quando você não quiser

Vitor Matsubara

Do UOL, em Santiago (Chile)*

22/08/2019 12h00

Resumo da notícia

  • Feito para encarar alemães, S60 tem até mesmos preços do BMW Série 3
  • Sedã tem motorizações turbo com 190 cv, 254 cv e 407 cv
  • Meta da empresa é vender 1.200 unidades em um ano cheio de vendas

Sedãs já viveram dias melhores, mas ainda tem espaço no segmento de luxo. Pensando nisso é que a Volvo traz o novo S60 para encarar Audi, BMW e Mercedes-Benz.

"Os sedãs representam 26% do mercado de carros premium no Brasil. Nosso S60 anterior não tinha as dimensões necessárias para competir com os alemães. Agora nós temos um produto de verdade para tanto", afirma Luís Rezende, presidente da Volvo Cars do Brasil.

Feito na Carolina do Norte (Estados Unidos), o S60 é importado para o Brasil nas versões Momentum, Inscription e R-Design. A configuração Polestar estreia apenas no fim do ano.

+ Volvo S60 T4 Momentum: R$ 195.950

+ Volvo S60 T5 Inscription: R$ 229.950

+ Volvo S60 T8 R-Design: R$ 269.950

+ Volvo S60 T8 Polestar: a definir

São três motorizações: 2.0 turbo de 190 cv (na versão T4) e 254 cv (na opção T5) e 2.0 turbo híbrido, entregando 407 cv (para T8 R-Design e Polestar).

Os preços são bem competitivos diante da concorrência. Quer um exemplo? A versão T8 R-Design custa exatamente o mesmo que o BMW 330i, sendo que este possui "apenas" 258 cv - são 149 cv a menos do que o S60.

O S60 vem de série com itens como ar condicionado digital com duas zonas de temperatura, frenagem autônoma de emergência, alerta de mudança de faixa com correção de direção, controle de estabilidade e piloto automático adaptativo. As versões Inscription e R-Design acrescentam destravamento das portas e partida do motor sem chave, alerta de colisão traseira, alerta de pontos cegos, teto solar panorâmico e alerta de tráfego cruzado.

Além disso, todas as versões saem de fábrica com o Pilot Assist, o sistema de condução semiautônoma que acelera, freia e faz curvas leves a até 130 km/h.

Tiozão, eu?

Design é um dos maiores pontos fortes do S60. As linhas de bom gosto foram nitidamente inspiradas no S90, com o qual compartilha a plataforma SPA - aplicada também nos SUVs XC60 e XC90.

A base maior faz do S60 o maior sedã da categoria com sobras. São 4,76 metros de comprimento (o Classe C, por exemplo, tem 4,68 m), 1,85 de largura, 1,43 metro de altura e distância entre eixos de 2,87 metros.

A frente longa carrega a identidade visual da Volvo, especialmente nos faróis Full LED com a já tradicional iluminação diurna chamada de "Martelo de Thor". Atrás, as lanternas em formato de "C" possuem um belo desenho, principalmente a noite.

Quem já entrou em um XC60 (ou na perua V60) vai se sentir em casa no S60. A cabine só não é idêntica a do SUV por conta das dimensões. Mesmo assim, painel digital e central multimidia com tela tátil de 9 polegadas são as mesmas.

O sistema de entretenimento, aliás, é extremamente fácil de operar e muito responsivo ao toque dos dedos. Navegar pelos menus é como usar um iPhone: leva algum tempo para se familiarizar, mas logo você pega o jeito.

Revestimento em couro traz quatro opções de cores, combinando com insertos de alumínio e aço escovado.

Sem as mãos (nem os pés)

Durante o trajeto de aproxidamente 230 km percorridos por UOL Carros com a versão T5 R-Design, 80% do percurso foi realizado em estradas muito bem pavimentadas. Foi o cenário ideal para abusar do Pilot Assist, o piloto automático adaptativo que praticamente faz tudo quase sem a intervenção do condutor. Apenas de vez em quando é que o sistema pede que o motorista coloque as mãos no volante, uma maneira bem prática de certificar que ainda há alguém atrás do volante em caso de necessidade.

A posição de dirigir é tão baixa a ponto de ser difícil até de entrar e sair do veículo. Os bancos "encaixam" bem o motorista e o volante tem ótima empunhadura.

O motor 2.0 de 254 cv é esperto nas arrancadas, sempre acompanhadas de um ronco bem agradável aos ouvidos. Falta, porém, um pouco de agressividade durante uma condução mais nervosa. Foi o que constatamos no Autódromo de Codegua, onde o S60 não tem a mesma tocada de um Audi ou BMW.

Economia de combustível, porém, não é seu forte (salvo na versão híbrida): não passamos de 11 km/l na estrada sem abusar do acelerador.

A Volvo ainda tem metas modestas para o S60: a previsão é de vender 1.200 carros em um ano cheio.

De todas as versões, a Momentum responderá por 40%, pouco mais do que os 35% da Inscription. A R-Design completa os 25% restantes.

* Viagem a convite da Volvo

Mais Testes e lançamentos