Topo

Seu Automóvel


Seu Automóvel

GM reúne prefeitos e sindicalistas depois de ameaçar sair do Brasil

GM tem 4 fábricas no Brasil: São Caetano do Sul e São José dos Campos, em SP; Joiville (SC) e Gravataí (RS), além de um centro de testes em Sorocaba (SP) - Divulgação
GM tem 4 fábricas no Brasil: São Caetano do Sul e São José dos Campos, em SP; Joiville (SC) e Gravataí (RS), além de um centro de testes em Sorocaba (SP)
Imagem: Divulgação

Cleide Silva

Estadão Conteúdo, em São Paulo (SP)

21/01/2019 15h28

Marca informou na última sexta que "investimentos e futuro" do grupo dependem da volta da lucratividade das operações ainda este ano

O presidente da General Motors Mercosul, Carlos Zarlenga, vai se reunir nesta terça-feira (22) com dirigentes dos sindicatos dos metalúrgicos de São Caetano do Sul (SP) e de São José dos Campos (SP) para discutir um plano de viabilidade para as fábricas locais.

O encontro ocorrerá em São José dos Campos, às 11 horas, e também terá as presenças dos prefeitos das duas cidades, José Auricchio Jr. e Felício Ramuth, ambos do PSDB.

Na última sexta-feira (18), Zarlenga distribuiu aos funcionários comunicado alertando para "o momento muito crítico" que vive a empresa. Ele informou que a GM teve prejuízo significativo no Brasil nos últimos três anos, resultado que "não pode se repetir".

Segundo fontes do setor automotivo, só em 2018 as perdas no país estariam na casa de R$ 1 bilhão. A pressão por reversão do quadro teria vindo da própria matriz, nos Estados Unidos.

O comunicado reproduziu matéria publicada pelo jornal "Detroit News", sobre recente declaração da presidente mundial da GM, Mary Barra, em que ela deu sinais de que a empresa considera sair da América do Sul. "Não vamos continuar investindo para perder dinheiro", disse.

No comunicado, Zarlenga afirmou que, "2019 será um ano decisivo para nossa história" e que a execução do plano de viabilidade requer apoio do governo, concessionários, empregados, sindicatos e fornecedores. Do sucesso desse plano dependem os investimentos da GM e o nosso futuro."

O executivo citou que os concessionários já deram importantes contribuições. Fontes ligadas à rede de varejo disseram que os revendedores aceitaram abrir mão de 1% do valor da margem de venda dos carros novos.

Caos

"Queremos transparência por parte da empresa na explicação deste plano", disse Renato Almeida, vice-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos. "Se a empresa de fato pensa em fechar fábricas, será um caos, pois o grupo emprega cerca de 20 mil pessoas no país", afirma.

Além de São Caetano e São José, a GM tem fábricas em Gravataí (RS), Joinville (SC) e Mogi das Cruzes (SP), que terão reuniões com a empresa em outros dias.

Em nota, o Sindicato de São José dos Campos convocou "todas as organizações sindicais e trabalhadores a se mobilizarem contra o fechamento das fábricas e em defesa do emprego".

Em 2017, a GM vendeu suas operações da Europa. Em novembro passado, anunciou o fechamento de quatro fábricas nos EUA e uma no Canadá, que empregam quase 15 mil pessoas. A empresa também disse que fecharia outras duas unidades em outras regiões, sem citar quais.

Na ocasião, Zarlenga deu a entender que o Brasil não estava incluído no projeto, pois a maioria das fábricas locais acabou de receber investimentos para produzir novos veículos.

O grupo é líder de vendas no país há três anos e anunciou 30 lançamentos até 2030, sendo 11 neste ano. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo". UOL Carros entrou em contato com a GM, que por enquanto não se manifestou.

Mais Seu Automóvel