Existe algum mês em que nascem mais bebês no Brasil? Por que isso acontece?

Tecnicamente falando, a primavera é a estação do ano que vem logo após o inverno. É o momento em que as temperaturas ficam mais amenas e o sol começa a aparecer mais. Com isso, começam a surgir, aqui e ali, brotos novos em plantas, que também preparam suas floradas —daí o nome de "estação das flores".

Todo esse renascimento da flora também se reflete na fauna: a primavera é conhecida como a temporada em que animais (especialmente mamíferos, mas não só) saem das tocas, despertam e começam a se reproduzir.

"Biologicamente falando, para os animais na natureza, é um período de clima mais ameno para os filhotes e também é mais fácil de encontrar alimento", afirma Ricardo Porto Tedesco, membro da Comissão Nacional Especializada em Assistência ao Abortamento, Parto e Puerpério da Febrasgo (Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia).

Mas, seria esse um padrão também da espécie humana? Recentemente, a revista The Atlantic publicou uma reportagem explorando as possíveis razões pelas quais existe um "aumento padrão" de nascimentos durante o verão norte-americano. E aqui no Brasil, isso acontece também?

Feriados e inverno são oportunidade

Os médicos entrevistados por VivaBem não entraram em um consenso sobre a existência ou não desse aumento sazonal de nascimentos por aqui. Um dos motivos para isso é a escassez de dados e trabalhos científicos que comprovem ou não esse fato.

Em 2019, a BBC New Brasil realizou um levantamento que mostrava que sim, havia alta de até 17% nos nascimentos entre os meses de março a maio no Brasil. Além disso, um estudo de 2013, apresentado em um congresso por Morvan Moreira, pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco e professor da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco), apontou a mesma tendência.

"O que vemos no consultório é justamente isso", afirma Eduardo Cordioli, diretor técnico de obstetrícia do Grupo Santa Joana, em São Paulo. "Maio é o mês com mais nascimentos e, em contrapartida, em novembro e dezembro esse índice é menor", diz.

Para ele, uma das possíveis explicações para isso seria a influência da luz solar. "No inverno, as pessoas tendem a ficar mais tempo confinadas. Isso certamente cria oportunidades e facilita a concepção", explica. Vale lembrar que, para um bebê nascer em maio, ele precisa ter sido concebido cerca de 38 semanas antes —o que dá, mais ou menos, no final do inverno brasileiro.

Continua após a publicidade

Outro fato que pode influenciar na sazonalidade de nascimentos são os feriados religiosos, acredita Tedesco. Um estudo do periódico Scientific Reports, da Nature, mostrou justamente que os ciclos reprodutivos dos humanos podem, sim, ser influenciados por festas culturais e feriados religiosos.

"No Brasil, teoricamente, temos mais nascimentos após o Carnaval, por exemplo", afirma Carlos Del Roy, ginecologista e obstetra do Hospital Santa Paula, em São Paulo, que reforça a necessidade de mais estudos para entender melhor esse cenário. "Não há explicação técnica para isso", afirma.

O importante é se preparar

Os especialistas, no entanto, foram unânimes em afirmar que, independente da época do ano, a recomendação é de que as mulheres comecem a se preparar antes de conceber.

"O bom estilo de vida melhora tudo na saúde, e isso não é diferente para a fertilidade", afirma Jorge Valente, médico ginecologista que atua na área de ginecologia endócrina e que atende em Salvador (Bahia) e Aracaju (Sergipe).

"Se você está com as quantidades certas de vitaminas e minerais no organismo, isso vai também ajudar no equilíbrio dos hormônios relacionados à fertilidade", diz.

Continua após a publicidade

"O pré-natal começa antes, na concepção", concorda Cordioli. "Apenas 8% das mulheres com uma doença crônica engravidam de forma planejada, o que é um número pequeno", lamenta.

De acordo com as associações médicas, engravidar estando saudável ou com doenças crônicas controladas reduz o risco de complicações para a mãe e de nascimento prematuro para o bebê.

"A suplementação de vitaminas, como ácido fólico, e adequação de nutrição, são essenciais para que a gestação seja mais tranquila", diz o especialista.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes