PUBLICIDADE

Topo

Benefícios dos alimentos

Coentro faz bem para o coração; veja 7 benefícios da erva para a saúde

iStock
Imagem: iStock

Samantha Cerquetani

Colaboração para o VivaBem

27/04/2022 04h00

Não tem como ficar isento ao sabor do coentro: ele pode ser amado ou odiado com a mesma intensidade. A erva faz parte de diversos pratos e é popularmente usada na culinária nordestina, indiana e mexicana como condimento e aromatizante.

Com o nome científico de Coriandrum sativum L., o coentro é originário da região do leste do Mediterrâneo e oeste da Ásia, de acordo com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). No entanto, hoje é consumido no mundo inteiro.

Ele é fonte de vitaminas A, B e C. Além disso, contém cálcio, ferro, fósforo, magnésio e potássio. Também possui propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes. Por conta disso, seu consumo regular é benéfico para o organismo e até contribui na prevenção de doenças, principalmente quando o indivíduo mantém uma dieta balanceada.

Vale destacar que é um alimento pouco calórico: em 10 g da folha crua, o que equivale a uma colher (sopa), há apenas 5 calorias. Já a mesma quantidade de coentro desidratado possui 29 calorias.

A seguir, confira sete benefícios da erva, se há contraindicações e como incluir na dieta.

1. Contribui com a saúde cardíaca

Consumir coentro com regularidade pode diminuir os fatores de risco de problemas cardíacos como a pressão alta e os níveis de colesterol "ruim" (LDL). O benefício acontece devido à quantidade de magnésio e potássio do alimento.

Além disso, as pessoas que usam coentro costumam colocar menos sal nas refeições, já que o condimento aumenta o sabor, o que é benéfico para controle da hipertensão arterial. E os ácidos graxos presentes na erva (ácido oleico e ácido palmítico) também se mostraram efetivos para reduzir os níveis de colesterol da corrente sanguínea.

2. Melhora o sistema imunológico

É fonte de antioxidantes, como as vitaminas A e C, o que fortalecem o sistema imunológico e protegem as células dos danos causados pelos radicais livres. Por isso, melhora o reconhecimento de ameaças ao corpo, que se torna mais forte para combater vírus, bactérias e fungos.

3. Faz bem para o cérebro

As propriedades anti-inflamatórias do coentro podem proteger de algumas doenças que afetam o cérebro, como Alzheimer. Além disso, por possuir vitaminas do complexo B (principalmente tiamina), melhora a comunicação das células do sistema nervoso (neurônios).

Os especialistas consultados por VivaBem reforçam que o consumo de coentro também está relacionado com a diminuição do estresse e da ansiedade, já que é fonte de vitaminas do complexo B e magnésio. Esses nutrientes também são importantes no processo de transformação do carboidrato em energia para o cérebro.

4. Melhora a saúde intestinal

Acrescentar coentro na dieta diminui a prisão de ventre. A erva contém pequenas quantidades de fibras, o que estimula o movimento intestinal regular, favorecendo a eliminação das fezes. Vale destacar que é importante consumir outras fontes de fibras e beber bastante água para que o intestino funcione adequadamente.

5. Faz bem para a digestão

O coentro é conhecido desde a antiguidade por auxiliar nos desconfortos gastrointestinais como gases, má digestão e náuseas. Além disso, estimula as enzimas que são responsáveis pela digestão dos alimentos.

Coentro - Jennifer Borja / EyeEm - Jennifer Borja / EyeEm
Coentro melhora a comunicação das células do sistema nervoso (neurônios)
Imagem: Jennifer Borja / EyeEm

6. Protege a pele

Por conter antioxidantes, o coentro também ajuda a prevenir os danos celulares que levam ao envelhecimento precoce. Além disso, pode proteger a pele dos danos causados pelo sol.

7. Regula o açúcar no sangue

A erva também tem propriedades que diminuem o açúcar no sangue (glicemia) ao ativar algumas enzimas. Por isso, o coentro, quando associado a uma alimentação saudável, é benéfico e recomendado para quem tem diabetes, doença crônica que provoca o aumento do nível de açúcar no sangue.

Riscos e contraindicações

O consumo de coentro é considerado seguro para a maioria das pessoas. No entanto, há indivíduos que apresentam hipersensibilidade ao consumo da erva. Nesses casos, é comum reações alérgicas como dificuldade para respirar, coceira na pele, distensão abdominal e vômitos.

Como consumir

As folhas têm aroma refrescante e sabor marcante. O coentro combina bem com peixes, frutos do mar, frango e legumes e também pode ser ingrediente de infusões. As sementes podem ser usadas para temperar a marinadas.

Entre as receitas que combinam com coentro, estão: tortas; moquecas; escondidinhos; caldos; molhos; guacamole; bacalhau.

Quantidade recomendada de coentro

Não há uma quantidade recomendada por dia. Geralmente, a erva é consumida em pequenas quantidades como condimento em diversas receitas do dia a dia. Ainda mais por possuir um gosto característico, nem sempre é possível usar o coentro em excesso. Uma colher (sopa) por dia já é o suficiente para usufruir de seus benefícios.

Aversão ao coentro pode ser genética

Se você não consegue sequer sentir o cheiro de coentro, saiba que pode ser uma questão genética. E também é comum que algumas pessoas achem que o sabor da erva lembra o gosto de "sabão". Estima-se que essa aversão atinja uma a cada cinco pessoas.

De acordo com uma pesquisa, ter aversão ao coentro está associada a um gene chamado OR6A2, responsável por tornar alguns indivíduos mais sensíveis aos compostos químicos do coentro. Por isso, a explicação para não suportar o coentro está na genética relacionada ao olfato: algumas pessoas possuem receptores diferentes para esse aroma.

Muitas vezes, para esses indivíduos, o coentro remete ao cheiro de produtos químicos. E, normalmente, essas pessoas costumam ter uma sensibilidade maior ao aldeído, que é um composto orgânico encontrado no coentro e também na baunilha e no sabão.

Fontes: Hiago Rafael Alves, nutrólogo do Hospital do Servidor Público Estadual; Fernanda Carvalho Nunes da Silva, nutricionista da Rede de Hospitais São Camilo (SP); Tarcila Campos, nutricionista do Hospital Alemão Oswaldo Cruz; Regina Vieira, nutricionista e professora do curso de nutrição do Instituto de Saúde e Biotecnologia da UFAM (Universidade Federal do Amazonas).

Referência: TBCA (Tabela Brasileira de Composição dos Alimentos).

Errata: o texto foi atualizado
A imagem inicialmente usada para ilustrar a reportagem e a chamada na homepage do UOL era de uma salsinha, não de coentro. A foto foi substituída.

Benefícios dos alimentos