Topo

Violência contra a mulher


Cortadoras de cana na Índia têm útero retirado à força para produzir mais

Quase 4.500 histerectomias teriam sido realizadas em Bid nos últimos três anos - iStock
Quase 4.500 histerectomias teriam sido realizadas em Bid nos últimos três anos Imagem: iStock

Da RFI

22/06/2019 16h17

Associações de luta pelos direitos das mulheres alertam para o número anormalmente alto de retirada de útero de cortadoras de cana em um distrito central da Índia. As ONGs denunciam inclusive um acordo financeiro entre o setor médico e os responsáveis das explorações canavieiras.

Usha, de 32 anos, é cortadora de cana, assim como seus pais. Aos 12 anos, ela foi forçada a se casar, para que não ficasse sozinha em casa quando os pais se ausentassem durante a colheita. Entre 13 e 20 anos, ela dá à luz a três crianças. Obrigada a trabalhar até o final da gravidez, ela tem os últimos dois em plena usina de transformação.

Depois do último parto, ela não recebe nenhum cuidado médico e não pode descansar. Após quatro meses, ela passa por uma ligadura de trompas, com intensos sangramentos. Depois de vários tratamentos sem sucesso, ela procura um hospital particular. O médico indica a retirada imediata do útero.

Como consequência, Usha tem dores nas costas, na nuca e coágulos de sangue nas pernas. Nada disso aparece no relatório médico.

O sofrimento de Usha é relatado por email à RFI pela MahilaKisanAdhikarManch (MAKAAM), uma associação integrante de uma rede de ONGs especializadas na luta pelos direitos da mulher. O relato aconteceu em Bid, distrito do estado de Maharashtra, que tem Mumbai como capital.

O calvário de Usha não é um caso isolado. Mas o número anormalmente alto desse tipo de ocorrência levou a rede a lançar uma alerta. Nos últimos dias, dois sites de notícias, o Hindubusinessline e o Firstpost, relataram histórias semelhantes, com vários testemunhos.

4.500 úteros retirados em três anos

A cada ano, cerca de 1,4 milhão de indianos trabalham na temporada de corte da cana (de setembro a março), no estado de Maharashtra. A maioria dos camponeses vem principalmente de uma região chamada Marathwada.

"Os cortadores de cana vivem em condições miseráveis, sem agua potável ou sanitários, em locais improvisados", explica a rede em um comunicado. Entre eles, "as mulheres são especialmente vulneráveis, seus corpos são não só explorados, como controlados. Nota-se um aumento do número de histerectomias realizadas em cortadoras de cana, com um pico pouco antes do início da colheita".

Dois levantamentos feitos no distrito de Bid pelas autoridades regionais mostram que, em 2018, de 200 mulheres questionadas, 72 haviam sofrido uma histerectomia. Ou seja, 36% delas, contra uma média regional de 2,6% ou nacional, de 3,2%. Em 2019, a taxa já era de 21% em apenas cinco meses.

No total, quase 4.500 histerectomias teriam sido realizadas em Bid nos últimos três anos. Segundo as informações obtidas da administração local pelo site Firstpost, 85% das cirurgias foram realizadas em hospitais particulares, que, no entanto, não dispunham de ginecologistas.

Segundo as reportagens, as mulheres grávidas ou que menstruam não são consideradas boas trabalhadoras. Os empregadores então se asseguram, pagando adiantado pela retirada do útero das colhedoras. O objetivo das empresas açucareiras é claro: obter a maior produtividade dessas mulheres de maneira ininterrupta.

Na maioria dos casos, elas são obrigadas a voltar a trabalhar sem tempo de recuperação. Não há pausas nas jornadas e cada dia não trabalhado é descontado do magro salário, muitas vezes o único do ano para as famílias. As consequências para a saúde das mulheres são pesadas, incapacitantes e crônicas.

Endividadas

Uma outra associação local, contatada por email, denuncia a "ganância do setor privado e a ignorância, ou cumplicidade, do Estado. Os atores da saúde privada, que não são supervisionados, obtêm enormes benefícios da exploração dessas mulheres pobres. Há também a crença patriarcal sobre a inutilidade do útero após várias gravidezes".

A rede de associações também protesta contra as práticas mafiosas: "um interesse comercial evidente liga os empresários, os donos das usinas e o corpo médico. Os médicos convencem as mulheres a aceitar a histerectomia ao invocar os riscos de câncer ou edemas no útero. As mulheres são levadas a acreditar que após dois ou três filhos, o útero já não tem mais utilidade. Elas então usam todas as suas economias nessas operações ".

As vítimas alegam que as intervenções forçadas custam o equivalente de ?250 a ?500, que é aproximadamente o salário de uma temporada inteira. "Elas se endividam com os empregadores e ficam à mercê deles", concluem as ONGs.

A rede associativa acrescenta: "essas violações de direitos são comum em outros setores do Maharashtra". O site Hindubusinessline revela que em Vanjarwadi, bem distante de Bid, mas no mesmo estado, as histerectomias são "a norma".

O governo prometeu publicamente investigações e punições contra os responsáveis. A MAKAAM e outras ONGs protestam contra o que chamam de negligência judiciária por parte das autoridades.