PUBLICIDADE

Topo

Comemore: Sol em Câncer e solstício marcam Yule, festival do renascimento

Comemore: Sol em Câncer e solstício marcam Yule, festival do renascimento - Anne Nygard
Comemore: Sol em Câncer e solstício marcam Yule, festival do renascimento Imagem: Anne Nygard

Camila Eiroa

Colaboração para Universa

21/06/2022 04h00

É na chegada do inverno, no hemisfério sul, e do verão, no hemisfério norte, que o signo de Câncer começa sua temporada. Em território canceriano, o Sol brinda com sensibilidade, altruísmo e autocuidado todos os signos do zodíaco a partir da madrugada do dia 21 de junho. Com isso, a comunicação ágil de Gêmeos abre espaço para tons mais emocionais e sensitivos.

Por ter seu trânsito iniciado junto a uma nova estação, Câncer é considerado um signo cardinal, trazendo consigo a iniciativa dentro de suas qualidades. Sendo assim, a fama de cancerianos serem pessoas que se deixam levar pelas emoções não é lá tão verdade.

Por ser um signo de elemento água, a intensidade emocional é um fator determinante para Câncer, além do zelo com as pessoas queridas e a tomada de atitudes que tenham como objetivo trazer mais fluidez às relações. O signo tem como animal o caranguejo e, como símbolo, a concha, representando o recolhimento. Além disso, é regido pela Lua, que representa as emoções mais profundas.

A temporada canceriana começa juntamente ao solstício de inverno, quando ocorre a noite mais longa do ano para nós. Isso acontece devido ao fato de o hemisfério sul estar voltado contra o Sol graças ao eixo de rotação da Terra. Por recebermos menos radiação solar neste momento, o dia tem menos momentos de luz, fato que segue durante todo o inverno, bem como as temperaturas mais baixas.

Para antigos pagãos e celtas, o solstício de inverno marcava o renascimento da esperança e o nascimento do Deus Sol. Mesmo que de maneira tímida, seus raios despontando sutilmente no horizonte lembravam que o período de seca e escuridão do outono chegava ao fim. Para esses povos, o inverno era uma chance de refazer planos e retomar a força para receber o calor novamente.

Essa tradição é chamada de Yule, um dos festivais da Roda do Ano, que divide o ano de acordo com solstícios e equinócios. É uma das celebrações pagãs e wiccanas mais festejadas do mundo até hoje, já que marca a volta da luz. Nessas espiritualidades não existe uma única divindade, mas sim, duas principais: o Deus e a Deusa. Assim como o Sol está nascendo, a Deusa Terra dá à luz a criança prometida.

Vem desse Sabbat muitas das tradições que hoje são remontadas no Natal cristão, que representa exatamente o nascimento do menino Jesus. O pinheiro, as pinhas e a própria estrela que coloca-se no topo da árvore de Natal são heranças desta tradição pagã. Inclusive por isso a data tem referências do inverno, ainda que no Brasil pareça meio distante da realidade de um dezembro de verão uma decoração natalina cheia de neve.

Comemorar o solstício de inverno e, mais do que isso, a entrada do Sol em Câncer, permite renovar as energias na metade exata do ano. Assim, é possível seguir para o próximo ciclo mais leve e, de fato, renovado. A partir de agora, os dias começam lentamente a ter a mesma duração da noite, até atingir o equilíbrio perfeito no equinócio de primavera, quando o Sol estará em Virgem.

Às 06h14 do dia 21, pelo horário de Brasília, ocorre o solstício de inverno e a entrada do Sol em Câncer aqui, no hemisfério sul. Veja abaixo como aproveitar a energia deste dia, que pode ser sentida e comemorada até três dias depois da transição.

Presenteie quem ama

Uma das tradições de Yule e também de Natal é o amigo oculto. Esse hábito nasceu das cerimônias de Give Away, em que as pessoas separavam um objeto de muita importância e significado em suas vidas para presentear alguém querido. Junto com o presente, era entregue uma carta com dizeres que explicitavam a importância daquele objeto. Uma forma de praticar o desapego ensinado pelo outono e de oferecer carinho a quem amamos.

Banho de renascimento

Assim como Yule marca o nascimento do Deus, temos uma data importante para reciclarmos ciclos que não nos representam mais. Portanto, fazer um banho com ervas solares, que representam a energia do solstício, é ideal para trazermos as bênçãos desse Sabbat em nosso dia a dia. As ervas mais indicadas são alecrim, louro e manjericão. Por serem ervas de energização, devem ser usadas durante o dia para não prejudicar o sono.

Assistir ao Sol nascer

Uma das formas mais primitivas e potentes de receber a energia de Yule é assistir ao Sol nascer, algo que é feito até hoje por tradições pagãs à beira do mar durante essa data. Os primeiros raios de Sol a despontarem trarão a conexão e a energia necessárias para renovar a esperança e a autoconfiança, importantes para uma temporada de Sol em Câncer. Já o mar representa o próprio útero da Deusa.

Medite pelas manhãs

Para se conectar ainda mais com essa potência de interiorização de Yule, meditar e ter práticas introspectivas pela manhã, antes de começar a rotina, são ótimas ideias. Câncer também inspira o recolhimento do inverno, algo pontual e simbólico em nosso hemisfério. Portanto, reserve alguns minutinhos depois de sair da cama para se conectar com seu corpo e retomar a sua vitalidade em um ritmo generoso.

Repartir o que tem

No Natal fazemos belos banquetes para dividir com a família, certo? Em Yule não seria diferente, visto que muitas das tradições natalinas foram inspiradas na tradição pagã. Nesse Sabbat, divide-se o pão, o vinho e a sopa. Mais do que isso, podemos tomar como inspiração para o inverno o ato de repartir aquilo que temos em excesso com quem tem em falta. Doar cobertores e roupas de frio é uma ótima forma de se conectar com a energia e o propósito da temporada.

Fortalecer a rede afetiva

Estar com quem se ama deixa o coração quentinho, ótimo para o inverno e também para a essência do signo de Câncer. Portanto, traga para perto aquelas pessoas queridas que, por ventura, tenham se afastado no último outono. Que tal convidar para assistir um filme, comer uma sopinha ou fazer uma viagem e curtir uma fogueira? Aproveite o renascimento do afeto!