PUBLICIDADE

Topo

Universa

Jovem é preso na PB suspeito de matar ex por não aceitar fim de namoro

Viviane Farias, de 18 anos, foi assassinada em Boqueirão - Arquivo Pessoal
Viviane Farias, de 18 anos, foi assassinada em Boqueirão Imagem: Arquivo Pessoal

Colaboração para o UOL, em João Pessoa

20/10/2020 12h09

Uma jovem de 18 anos foi morta na noite de ontem após ser baleada com um tiro na cabeça disparado pelo ex-namorado. Eles tinham terminado o namoro há cerca de quatro meses, mas ele não aceitava o término, segundo a polícia.

O feminicídio aconteceu no município de Boqueirão, a 145 quilômetros de João Pessoa (PB), e vitimou Viviane Farias. O rapaz identificado como Arthur Lima Aires, de 22 anos, foi preso e autuado em flagrante por homicídio qualificado por feminicídio e por tentativa de homicídio contra o atual namorado da vítima.

A delegada plantonista Alba Tânia Abrantes esteve no local do crime e conversou com os envolvidos. Segundo ela, o atual namorado de Viviane, identificado como Guilherme, contou que eles estavam se organizando para ir a uma festa em um sítio. Quando estavam na frente da casa dela, Arthur passou de moto acompanhado de uma outra pessoa, mas foi embora.

Quando o casal estava em outra rua esperando uma amiga que também iria para a festa, Arthur novamente passou. Nesse instante, segundo relato feito à delegada, Arthur desceu da moto, chegou perto do carro e falou algo para Guilherme, o atual namorado de Viviane. "Na versão de Guilherme, ele desceu do carro para falar com Arthur. Foi quando Arthur, já alterado, começou a atirar aleatoriamente", explicou a delegada.

Ainda de acordo com o atual namorado da vítima, Viviane desceu do carro para tentar acalmar os ânimos dos dois rapazes. "Nesse momento ela foi atingida com um tiro na cabeça. Ainda não sabemos se Arthur atirou diretamente para atingir a ex-namorada ou se foi tiro acidental", declarou. A delegada disse também que o exame da perícia vai informar se a vítima levou um ou mais tiros, informação que será útil no processo.

A versão dada por Arthur é diferente, segundo Alba Tânia. Em seu depoimento, após ser preso, ele disse que Guilherme fazia importunações constantes e que várias vezes passava na frente da casa dele "para provocar".

"A versão de Arthur foi totalmente o oposto da de Guilherme. Ele diz que Guilherme jogou o carro pra cima dele e que ele foi atrás para saber o motivo. Disse também que a arma pertence ao ex-namorado da vítima, e não a ele. Por fim, disse que os tiros foram disparados por Guilherme", pontuou a delegada.

Apesar da versão contraditória, Alba Tânia considerou, além das evidências, o depoimento das testemunhas e concluiu que Arthur foi o autor dos disparos que vitimou a jovem. Ela disse que na delegacia, enquanto era ouvido, Arthur demonstrava frieza diante da notícia da morte da ex-namorada, e que não mostrou arrependimento. "Foi mais um caso lamentável de feminicídio, onde percebemos que foi em razão de um término de relacionamento", afirmou.

Universa