PUBLICIDADE

Topo

Autoestima

Nas redes, Jennifer Lopez prega empatia; saiba mais sobre esse sentimento

JLo fala de empatia no Instagram - Reprodução/Instagram @jlo
JLo fala de empatia no Instagram Imagem: Reprodução/Instagram @jlo

De Universa

02/08/2020 15h59

A atriz e cantora Jennifer Lopez foi às redes neste domingo (02) ensinar um pouco sobre empatia. Com um moletom em que se lê a palavra em inglês, "Empathy", ela ensina: "A capacidade de entender e compartilhar os sentimentos dos outros".

Em entrevista a Universa no ano passado, a expert em empatia Brené Brown, pesquisadora da Universidade de Houston, nos EUA, fala um pouco sobre isso. Ela cita, por exemplo, que é preciso de gente que traga a sua humanidade para o trabalho. E que se você vive as suas emoções e empatia, você não será substituído por uma inteligência artificial.

Taís Araújo também explicou o termo no ano passado, após assistir a vencedora do Oscar Michelle Williams receber o Emmy de melhor atriz em minissérie (ou série limitada) por sua atuação em Fosse/Verdon. Naquele momento, ela exaltou a equidade salarial do estúdio que produziu a série. E chamou atenção para igualdade de salário também das mulheres negras.

Foi quando Taís Araújo usou as redes para resgatar as palavras da norte-americana e chamar a atenção sobre empatia, e dizer que é possível você lutar por uma causa que não seja sua.

No Instagram, a atriz brasileira publicou o que pensa sobre isso junto a um vídeo de Williams.

Caramba, não precisamos ser cachorros para lutar pelos direitos dos animais, né? E você pode ser um aliado, por exemplo, lendo mais livros escritos por mulheres. Vendo mais séries ou filmes dirigidos e protagonizados por artistas negros ou LGBTs. Dando oportunidade e condições para que as pessoas possam fazer o seu melhor no ambiente de trabalho. Fazendo um discurso incrível e contundente, como o da Michelle Williams, chamando atenção para desigualdade salarial entre mulheres não brancas e homens brancos. Sabe quando dizem que o mundo seria melhor se cada um fizesse a sua parte? Eu acho que ele será melhor se fizermos juntos. É nisso que eu acredito", finalizou".

Aliados. O que são aliados a qualquer causa? São pessoas que sentem empatia por pessoas, por suas questões, suas reivindicações e por seus direitos. São pessoas conscientes dos espaços de privilégio que ocupam e se apropriam deles pra amplificar as vozes de quem, frequentemente, não é ouvido. São pessoas que entendem que o seu lugar na luta não é de protagonismo, mas de se permitir a escuta, apoiar o debate e trabalhar pra que todos tenham oportunidades iguais. São pessoas que entendem que não precisam ser homens pra apoiar a luta pela igualdade de gênero; não precisam ser negros pra apoiar a luta antirracista; não precisam ser LGBTQ+ pra lutar contra a homofobia; não precisam ser indígenas ou ter qualquer deficiência pra entender a importância das lutas desses movimentos. Caramba, não precisamos ser cachorros pra lutar pelos direitos dos animais, né? E você pode ser um aliado, por exemplo, lendo mais livros escritos por mulheres. Vendo mais séries ou filmes dirigidos e protagonizados por artistas negros ou LGBTs. Dando oportunidade e condições pra que as pessoas possam fazer o seu melhor no ambiente de trabalho. Fazendo um discurso incrível e contundente, como o da Michelle Williams, chamando atenção pra desigualdade salarial entre mulheres não-brancas e homens brancos. Sabe quando dizem que o mundo seria melhor se cada um fizesse a sua parte? Eu acho que ele será melhor se fizermos juntos. É nisso que eu acredito! Legenda/Vídeo: Mulher no Cinema

Uma publicação compartilhada por Taís Araujo (@taisdeverdade) em

Autoestima