PUBLICIDADE

Topo

Universa Vê BBB

Para Prior e outros aprenderem fora do BBB: 8 dicas para educar um machista

Felipe Prior: assumindo o próprio machismo e "disposto a aprender" - Reprodução
Felipe Prior: assumindo o próprio machismo e "disposto a aprender" Imagem: Reprodução

De Universa

02/04/2020 14h29

Após ser eliminado do BBB20 na terça-feira (31), Felipe Prior foi questionado sobre as falas e comportamentos machistas que teve dentro da casa. Admitiu que errou, mas tentou melhorar. Ainda durante o programa, ele teve uma conversa com Marcela e Rafa Kalimann e lhes pediu ajuda. "Falei que na minha casa fui criado assim, mas tô disposto a aprender", disse, após sair do confinamento.

Conversar com uma pessoa machista com a qual você é obrigada a conviver, como aconteceu no BBB20, não é tarefa fácil. Exige paciência, saúde mental em dia e muita energia a ser gasta. Por isso, destacamos: ninguém é obrigada, ok? Mas, se for sua vontade, temos aqui algumas dicas.

Universa conversou com a escritora Marcella Rosa, autora do livro "Guia Prático do Feminismo: Como Dialogar Com um Machista" (editora Letramento), doutora em Crítica Literária e pesquisadora do feminismo há dez anos. Marcella, que também fala sobre o tema em seu perfil no Instagram (@marcellarosa_ma), lista, abaixo, alguns passos que podem ser seguidos nessa empreitada. Veja:

1. Comece mostrando que a conversa não é um ataque pessoal

Segundo Marcella, é importante diferenciar o que é estrutural e o que é individual. Possivelmente, o interlocutor vai dizer que não é violento com mulheres, que não é essa sua intenção ao fazer determinados comentários ou ter certas atitudes. Como se o que faz não tivesse ligação à opressão feminina. Mas tem. Como explicar isso?

Marcella sugere uma metáfora bem didática: "Quando a gente come um bolo bem gostoso, não sente o gosto do ovo. Mas ele está lá. Quando a gente vê um feminicídio, não vê a piada, o comentário constrangedor, mas eles estão lá. A piada não mata, mas faz parte de um processo longo e demorado de construção de uma situação em que a violência está autorizada.""

Uma brincadeira, portanto, pode não autorizar socialmente um feminicídio, mas autoriza a inferiorização da mulher, a objetificação, o que vai autorizar o abuso, depois o estupro, depois a agressão, até chegar no feminicídio.

2. Recorra a arquétipos da literatura e do cinema

É bastante emblemático que Prior tenha chamado Marcela, que no início do reality era o arauto do feminismo na casa, de "bruxa".

"Desde no mínimo dez mil anos atrás, e isso só no mundo ocidental, mulheres são atacadas e chamadas de bruxas. Isso é uma muleta argumentativa que só mostra que a violência contra a mulher vem sendo construída há muito tempo", diz.

"Ao mostrar que o discurso da pessoa não é novo, que é só uma muleta argumentativa, você desconstrói o argumento do homem."

Isso serve também para aquele papo de que feministas são feias, lésbicas, têm o sovaco peludo ou só sabem mostrar os peitos.

3. Esteja preparada para a resistência em ser ouvida

Marcella recorre a um termo da neurociência para explicar que é bem provável que haja uma resistência nessa conversa. "Existe sempre o desejo de estar certo, chamado de viés da confirmação. É do ser humano isso, que vê como ameaçadora a pessoa que quer mostrar que ele não está certo."

E quando se ver em meio a chavões, como "mulheres podem tanto quanto homens, é só querer", "mulheres se fazem de vítima", "diferença salarial não existe", peça dados. Porque os números e histórias para provar o contrário existem aos montes.

4. Explique que elogio e paquera são uma coisa, constrangimento é outra

"Primeiro", diz Marcella, "ninguém elogia desconhecidos na rua. Então pare, isso é uma invasão."

Se ouvir que "tem mulher que gosta", rebata: "Então temos que falar com elas também, porque se elas acham que precisam disso pra melhorar a autoestima, podemos mostrar que há outras maneiras de gostar dela mesma.""

Para ser paquera, precisa ter abertura, um olhar, uma aproximação. Se houver constrangimento, já é abuso. "Pode ser uma invasão relativamente pequena. Mas, de novo, é uma escalada: leva ao tocar sem consentimento, que leva ao abuso, que leva ao estupro."

"O medo da encoxada no ônibus já começa quando alguém olha esquisito. Então, o olhar também impõem medo, sim."

5. Diga por que ele não deve expor mulheres

O mundo julga moralmente mais mulheres do que homens. Quando um sujeito expõe outra mulher, seja para falar mal ou com humor, ou até uma intimidade da companheira, ele está inferiorizando a mulher e reforçando estereótipos agressivos.

"Sabe aquelas camisetas com um noivo e uma noiva escrito 'game over'? É um exemplo muito simples de algo que é tratado com humor mas é problemático. Ninguém está obrigando o homem a casar, para que fazer isso?", diz Marcella. Além de reforçar a ideia de que mulheres são desesperadas por relacionamentos e obrigam o homem a se comprometer."

"Acho inclusive que esse homem é o que está mais desesperado para acabar com a solidão, mas finge que não fazendo piada."

6. Incentive o interlocutor a dizer o que ele sente

Homens têm dificuldade de entender o sofrimento alheio — daí a dizer que feminismo é "mimimi" — porque não conseguem formular o próprio sofrimento. "Por isso, um bom jeito de começar a ensinar eles a entender as dores do outro é incentivá-lo a falar sobre como se sente, a cuidar da saúde mental", sugere Marcella.

"Além disso, mostrar que o machismo é ruim para eles também, que há uma imposição para ser o grande herói da casa, para transar muito — como se a performance sexual comprovasse a virilidade —, para ser sempre forte."

7. "Oriente seus parças"

Conforme as conversas forem evoluindo, o próximo passo pode ser pedir que ele leve essas informações aos amigos homens. "Claro, porque nós, mulheres, não vamos estar no vestiário depois da pelada do fim de semana nem no grupo do Whatsapp onde eles trocam pornografia."

Por isso, é importante que eles comecem a reproduzir os toques dados por uma mulher, para que os colegas passem a respeitar mais outras mulheres do seu entorno.

8. Não espere por uma mudança imediata

"Para manter sua saúde mental, não espere que ele vá reagir bem nem ter uma mudança imediata de comportamento", diz Marcella.

"Tem o período de gestação, ou ruminação, ele vai discordar ou vai ficar olhando para o nada enquanto você fala. Mas aí, num almoço de família, de repente ele vai responder o comentário machista do tio, e você vai pensar: 'Deu certo'."

Universa Vê BBB