PUBLICIDADE

Topo

Sexo

Publicitária cria guia ilustrado de saúde sexual para lésbicas e bissexuais

Nicolle Sartor, de 21 anos - Arquivo pessoal
Nicolle Sartor, de 21 anos Imagem: Arquivo pessoal

Mariana Gonzalez

De Universa, em São Paulo

18/12/2019 18h04

A publicitária e ilustradora Nicolle Sartor, de 21 anos, acaba de lançar um guia de saúde sexual focado em mulheres lésbicas e bissexuais ilustrado como trabalho de conclusão do curso de Publicidade e Propaganda da Universidade Federal de Santa Maria

O projeto, que ganhou nome de "Velcro Seguro — O Guia de Saúde Sexual para Mulheres Lésbicas e Bissexuais com Vulva", tem dez páginas ilustradas de forma colorida, didática e com linguagem acessível, "traduzindo" informações concedidas pela médica ginecologista Thais Machado Dias, da Unicamp.

O conteúdo vai desde a definição de DSTs (doenças sexualmente transmissíveis) e ISTs (infecções sexualmente transmissíveis) até a anatomia feminina e a forma mais segura de utilizar vibradores, camisinhas femininas e outros acessórios.

Em entrevista para Universa, Nicolle contou que a ideia de se aprofundar e difundir informações sobre o tema veio de sua experiência pessoal enquanto mulher lésbica.

"Eu pessoalmente não tinha essa informação, esse assunto nunca havia sido debatido nos meus círculos sociais nem em consultas médicas", conta. "Há uma epidemia de sífilis e pessoas que não recebem informação e atenção necessárias simplesmente porque são invisibilizadas, porque as práticas sexuais delas não são consideradas".

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Arquivo pessoal
Imagem: Arquivo pessoal

Em suas pesquisas, a publicitária chegou a encontrar algumas cartilhas desenvolvidas pelo Ministério da Saúde, mas a mais completa delas, o "Chegou a hora de cuidar da saúde: um livreto especial para lésbicas e mulheres bissexuais", foi lançada há mais de 12 anos e está fora de circulação. Outros, mais recentes, englobam todo o público LGBT e não trata especificamente o sexo entre mulheres.

Então estudante, Nicolle passou todo o ano de 2019 desenvolvendo o Velcro Seguro — além das pesquisas e do texto, ela mesma ilustrou todas as páginas.

Ela contou com a assistência da médica da Unicamp e a supervisão de duas orientadoras para desenvolver pesquisas com um grupo de seis mulheres lésbicas e bissexuais, que em entrevistas mostraram ter pouco ou nenhum conhecimento sobre saúde sexual, além de uma certa resistência em consultar ginecologistas.

"A falta de informação sobre o assunto acaba gerando intolerância e preconceito, uma certa incompreensão por parte dos médicos em relação a essas pacientes", conta Nicolle, relatando o que descobriu ao longo de um ano de pesquisas. "Esse cenário acaba ocasionando desconforto e até amedrontamento para essas mulheres, que se afastam dos consultórios".

Algumas entrevistadas chegaram a relatar que só vão ao ginecologista quando notam algo diferente no corpo, mas não seguem uma agenda de cuidados com a saúde sexual, como exames de rotina.

"O cerne do meu trabalho é dar visibilidade e prestar um serviço cuidadoso para este grupo específico de mulheres [lésbicas e bissexuais com vulva]. Depois que eu divulguei a zine nas redes sociais, as pessoas comentaram que nunca tinham ouvido falar em material desse tipo e, para mim, isso mostra a real a necessidade que temos de por mais informações".

Nicolle pretende deixar o Velcro Seguro disponível para download e distribuição em todo o Brasil de forma gratuita a partir de 2020.

"Este material foi feito especificamente para mulheres, mas espero que sirva de motivação para a criação de conteúdos que abordem a saúde sexual para outros grupos que também estão sub-representados", conclui.

Sexo