Topo

Os quatro filhos dela foram mortos pelo marido: "Assombrada pelos gritos"

Homem mata três filhos e a enteada por não aceitar divórcio da mulher - Reprodução/Instagram
Homem mata três filhos e a enteada por não aceitar divórcio da mulher Imagem: Reprodução/Instagram

De Universa

10/11/2019 14h45

A África do Sul condenou à prisão perpétua um pai que enforcou e matou os quatro filhos depois de receber da mãe das crianças os papéis de divórcio. Sibusiso Mpungose, de 44 anos, matou três crianças na casa do casal em Durban, e outra numa floresta próxima, antes de tentar se matar.

A mãe dos menores, Xolisile, não foi ao julgamento do homem, que ocorreu nesta semana, mas enviou uma carta, que foi lida na corte. Ela escreveu que sentia que sua vida havia terminado no dia em que os filhos foram mortos.

"Ainda hoje não posso voltar para minha casa porque não consigo tirar as imagens terríveis que tenho na mente o tempo todo. Sou assombrada pelos gritos dos meus filhos porque não pude salvá-los '', escreveu ela, de acordo com o "Daily Mail".

No dia do crime, o condenado pegou os dois filhos mais novos numa creche e na escola próximas à casa onde vivia a família. Ali ele enforcou o caçula, de 4, e a filha de 6, ainda usando seus uniformes escolares. Quando o filho de 10 anos chegou na casa, também foi morto.

A mais velha, de 16, filha de Xolisile de um relacionamento anterior, foi levada para um bosque próximo e enforcada lá. Mpungose então comprou álcool para beber e tentar se matar.

A mãe das crianças ficou desconfiada depois de ver um comportamento incomum no seu aplicativo de táxi, que mostrava o marido viajando entre as escolas dos quatro filhos e a casa em Durban, e chamou a polícia local. Os agentes que atenderam ao chamado invadiram a casa depois de descobrirem que as fechaduras das portas usadas foram trocadas.

Quando os agentes entraram, viram as três crianças mortas e, depois de uma busca, a quarta foi descoberta na floresta. Mpungose foi preso no dia seguinte. Ele admitiu ter cometido os crimes, e alegou acreditar que a esposa, com quem ficou por 11 anos, o estava deixando para voltar para o pai de sua primeira filha depois de encontrar mensagens entre eles no telefone.

Xolisile disse ainda, na carta enviada: "Não consigo tirar da cabeça as fotos dos meus filhos pendurados".

A juíza Sharmaine Balton deu ao homem quatro sentenças de prisão perpétua no Tribunal Superior de Pietermaritzburg e disse que as ações do criminoso foram "horrendas" e "desumanas":

"Com base nas evidências da autópsia, só consigo imaginar o que deve ter passado pela mente dessas crianças vulneráveis quando você cometeu esses crimes hediondos contra elas", disse a juíza.

"Não há palavras para descrever adequadamente suas ações", continuou.

Violência contra a mulher