Topo

Banco terá que indenizar ex-funcionária chamada de burra por gravidez em MG

Três anos depois da ofensa, bancária pediu demissão e abriu processo contra a empresa - iStock
Três anos depois da ofensa, bancária pediu demissão e abriu processo contra a empresa Imagem: iStock

Mariana Gonzalez

De Universa

07/10/2019 18h05

O Banco Santander S.A. terá que pagar indenização de R$ 30 mil a uma ex-funcionária que foi chamada de burra pelos superiores ao anunciar que estava grávida.

Segundo o Tribunal Superior do Trabalho, a vítima trabalhava em uma agência do Santander em Varginha (MG) e ouviu, durante uma reunião de trabalho, que estava "assinando um contrato de burrice" ao engravidar e que não tinha estrutura para gerar um filho. Segundo testemunha, ela teria deixado a sala chorando.

O caso aconteceu em 2009; três anos depois, ela decidiu pedir demissão do cargo de gerente de relacionamento e abrir um processo contra a empresa.

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho já havia condenado a empresa a indenizar a vítima em R$ 15 mil. Em decisão unânime, reconsiderou o valor levando em conta que "a conduta antijurídica da gerente causou à bancária vexame, dor e constrangimento em razão da gravidez", explicou o TST, em nota.

De acordo com o Tribunal, a bancária comprovou que sofreu abalo psicológico durante a gestação, em decorrência da atitude da empresa.

Outro lado

Procurado, o Santander S.A. não falou sobre o caso até a publicação da reportagem. O espaço continua aberto caso o banco queira se manifestar.

Mais Violência contra a mulher