Topo

Duda Salabert: "Esquerda é pedante, elitista e fala com o próprio umbigo"

Duda Salabert confirmou a filiação ao PDT em evento com Ciro Gomes em Minas Gerais - Reprodução/Instagram
Duda Salabert confirmou a filiação ao PDT em evento com Ciro Gomes em Minas Gerais Imagem: Reprodução/Instagram

Talyta Vespa

De Universa

19/09/2019 04h00

"Foi uma festa muito bonita, lotamos a casa", diz, ofegante, a professora Duda Salabert enquanto corre para o quintal para não acordar a filha, Sol, de três meses, que acabara de dormir. A mineira se refere à aula aberta que deu ao lado do ex-presidenciável e vice-presidente do PDT, Ciro Gomes, na Câmara Municipal de Belo Horizonte na segunda-feira (16). Ela se filiou ao PDT nesta semana, após quase cinco meses de uma negociação que envolveu propostas de outras grandes siglas. Pelo partido de Ciro, Duda vai disputar as eleições de 2020 --só não sabe, ainda, se concorrerá à prefeitura de Belo Horizonte ou ao Legislativo.

Duda é transexual, acabou de ser mãe e deixou o PSOL em abril após acusar o partido de transfobia. Foi pelo PSOL, ainda, que ela recebeu 351.874 votos para o Senado, no ano passado, e se tornou a pessoa mais votada da história da sigla em Minas Gerais. Nesta entrevista, Duda fala da filha, relembra o "tapete vermelho" estendido por Ciro e analisa as críticas da esquerda em relação a ele, como as feitas pelo ex-colega de partido Jean Wyllys.

"Jean comparou Ciro a Bolsonaro, então me sinto à vontade para comparar o próprio Jean a Bolsonaro. Ambos, infelizmente, endossam massacres contra palestinos em Israel. Já passou a hora de o Jean buscar desconstruir esse sionismo dele", diz.

As negociações com o PDT começaram logo que a senhora saiu do PSOL, quando disse que Ciro Gomes havia lhe estendido o tapete vermelho. Outros partidos a procuraram?
Sim. Tive algumas conversas com PT, PCdoB, PSB e PV. Só que o PDT tem como base a educação, uma bandeira que eu sempre defendi dentro da política. Foi, inclusive, a protagonista da minha campanha para o Senado no ano passado. Encontrei no partido base histórica para investir nisso. O [então governador Leonel] Brizola, em 1983, investiu 40% do orçamento público do Rio de Janeiro em educação. Sabe quanto o governo federal investe hoje? Só 3,91% do orçamento. O Ciro me procurou assim que saí do PSOL, disse que me estenderia o tapete vermelho. E estendeu mesmo. Ele me acolheu com muito carinho, assim como a militância.

Sua campanha para o Senado em 2018 foi feita com R$ 16 mil. Foram mais de 350 mil votos, a maior votação da história do PSOL de Minas Gerais. O PDT prometeu mais dinheiro para financiar sua próxima campanha? Isso pesou na hora de decidir se filiar ao partido?
Sim. O PDT garantiu que minha candidatura vai estar no protagonismo do partido em Belo Horizonte. Ainda não decidimos se vou concorrer à prefeitura ou à Câmara Municipal. O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), tem um índice de aprovação bastante alto. Decidimos que não vamos entrar na disputa se não houver chances concretas. O PDT apoiou o Kalil na última eleição e, se for de vontade do partido ser base de sua campanha, terei de acatar. É claro que a valorização do meu trabalho pesou na decisão, mas não foi só isso. Eu estava prestes a fechar com outra sigla --não vou dizer qual-- até que participei do congresso da UNE, em Brasília, e a militância do PDT lançou uma hashtag que pedia "Duda no PDT". Esse carinho da juventude do partido me deixou motivada e entusiasmada.

Como a senhora analisava sua posição no cenário eleitoral do ano passado e como a vê hoje? Acredita que tem chances de vencer uma eleição?
Segundo a última pesquisa eleitoral espontânea divulgada pelo Instituto Paraná Pesquisas, eu ficaria em terceiro lugar na disputa para a prefeitura se a eleição fosse hoje. Só em Belo Horizonte, eu recebi mais de 112 mil votos no ano passado. Fiquei muito surpresa porque não tive muita verba de campanha apesar de mulheres trans também entrarem nas cotas de 30% do fundo partidário. Estou entre as quatro mulheres mais votadas do Estado. Isso me dá fôlego para disputar a prefeitura.

A senhora já tem ideias de propostas para o Legislativo e o Executivo?
Sim. Quero incentivar a doação de sangue em Belo Horizonte. Penso até em propor a isenção de IPTU para famílias que doarem sangue e medula óssea, já que, hoje, os índices de doação são muito baixos. É uma proposta a ser desenvolvida. Se for candidata e eleita à vereadora, gostaria de propor um Samu para animais e a construção de um hospital público veterinário para trabalhar o conceito de saúde única em que saúde animal, ambiental e humana estão interligadas. Se eleita, serei, ainda, resistência direta ao projeto Escola sem Partido, que busca silenciar o debate sobre gênero e sexualidade em salas de aula. E esse debate tem de ser feito porque 91% das transexuais de Belo Horizonte não concluíram o segundo grau de acordo com uma pesquisa realizada pela UFMG. A escola ainda é intolerante à diversidade e, por isso, é preciso o debate.

Ciro Gomes tem sido alvo de críticas por parte da esquerda por querer criar uma frente de oposição ao governo Bolsonaro sem o PT como liderança. O que a senhora pensa sobre isso?
Eu entendo que o PT prejudicou as últimas eleições por querer se manter a qualquer custo no protagonismo da esquerda. A gente viu o preço disso, Bolsonaro foi eleito. Ciro Gomes era o único candidato do espectro progressista com chances reais de vencer Bolsonaro no segundo turno, mas o PT não quis sair de cena. Entregamos de bandeja a presidência para um governo ultrarreacionário. O PDT é alternativa como uma nova forma de construir política e, se o PT concordar com isso, alianças serão bem-vindas. Só não podemos repetir e ceder a essa lógica de poder do PT.

Qual o principal erro da esquerda como oposição hoje?
A esquerda é pedante, elitista e tem um discurso excludente, distante da base. Tem, há tempos, dialogado com o próprio umbigo. Esse setor tem feito do cidadão comum uma caricatura, diz que é fascista por ter apoiado o Bolsonaro. A gente sabe que a maioria das pessoas não são fascistas, mas, sim, insatisfeitas com as políticas que o PT colocou em prática no Brasil. É um erro gritar isso. O PT precisa fazer autocrítica e a esquerda, uma reflexão. Precisamos entender onde erramos para construir uma alternativa ao governo Bolsonaro.

Ciro Gomes já disse, algumas vezes, que Bolsonaro é fascista. Qual a diferença?
O Bolsonaro certamente flerta com o fascismo. A maior parte da população, não. O erro é chamar o eleitor de fascista. Em Belo Horizonte, 70% dos eleitores votaram no Bolsonaro e eu garanto que 70% do eleitorado da capital não é fascista. São pessoas insatisfeitas com o governo [Fernando] Pimentel [ex-governador de Minas Gerais pelo PT] que flexibilizou leis ambientais e possibilitou crimes como o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, por exemplo. Ele deu um calote nos educadores, além de tudo. Fora os escândalos de corrupção do partido. Não dá para não levar em conta esse cenário.

Na semana passada, seu ex-colega de partido Jean Wyllys disse, no blog dele, que Ciro Gomes é "oportunista, machista e inseguro com medo de perder privilégios". Como a senhora vê essa crítica?
Tive muitas divergências com o Jean enquanto colega de partido. Ele já foi transfóbico, assim como já o vi sendo machista inúmeras vezes. A sociedade brasileira é machista, Ciro Gomes reproduz isso, Jean Wyllys também. Não é porque ele é gay que está imune ao machismo. A diferença é que Ciro está aberto para combater essa e outras fobias típicas do brasileiro. Sobre o oportunismo, não consigo ver. Colocar seu corpo para disputar um pleito presidencial em um contexto de ódio e polaridade é arriscar os próprios privilégios. Se quisesse mantê-los, ele se candidataria ao legislativo, seria eleito e teria uma vida tranquila.

Em que momento aconteceu essa transfobia de Jean Wyllys e como foram as conversas em torno do tema?
A principal delas foi quando Jean apoiou o ator e diretor Luis Lobianco na peça "Gisberta", em que Lobianco interpretou uma mulher trans. Eu sou contra pessoas cisgênero ocupando nossos lugares, falei muito sobre isso à época, mas Jean o apoiou e foi transfóbico nesse posicionamento. No texto do blog, ele comparou Ciro a Bolsonaro, então me sinto à vontade para comparar o próprio Jean a Bolsonaro, já que ambos, infelizmente, endossam massacres contra palestinos em Israel. Já passou a hora de o Jean buscar desconstruir esse sionismo dele.

Há três meses, sua mulher deu à luz Sol. Mais uma mudança na sua vida, agora no âmbito pessoal. Enfrentou muitas burocracias desde então?
Sim, a sociedade tem uma transfobia enraizada, né? Registrar minha filha foi muito difícil, são duas mães, aquela coisa toda. Tive que ir com advogado ao cartório, um parto. Depois de certa luta, consegui licença-maternidade na escola pública em que trabalho e percebi como é importante não só para a mãe, mas também para a criança. Sei que a maternidade vai ser mais um ativismo da minha parte. Tirei 120 dias, sou a primeira mulher trans que materializa esse direito. Se, em algum momento, eu vier a ocupar um cargo como deputada, uma das propostas que vou fazer é aumentar o período da licença-maternidade.

A senhora faz terapia hormonal desde que começou a transição de gênero, em 2012. O que ninguém lhe contou sobre o tratamento?
Que os hormônios mexem muito. Estou tomando doses muito altas de hormônio atualmente, ainda não posso revelar o motivo [por motivos pessoais e recomendação médica, Duda Salabert está fazendo um tratamento hormonal diferente, mais intenso do que o recomendado a quem passa pela transição de gênero]. Eu fico muito cansada. Só choro e vomito, tem dias que fico estressada e depressiva. Minha mulher é maravilhosa, me apoia muito. Ela compara essas sensações às que ela tinha durante a gravidez, até me indica alguns remédios que tomava. A gente assiste a filmes, toma sorvete, come chocolate na sala e chora junto. Para conseguir dar a aula aberta com Ciro Gomes nessa semana, para anunciar a filiação, fiquei três dias sem tomar os hormônios porque os efeitos colaterais são grandes. Mas vai valer a pena, você vai ver

Mais Política