Topo

Autoestima


Thaila Ayala não usava saia por sofrer bullying: "Não gostava do meu corpo"

Divulgação
Imagem: Divulgação

Gustavo Frank

Da Universa

13/12/2018 14h14

Embaixadora da Kérastase no Brasil, Thaila Ayala conversou com a Universa durante os bastidores de uma campanha, em que falou sobre os cuidados com a beleza, autoestima e ódio nas redes sociais.

No bate-papo, a atriz, de 32 anos, confessou ter uma vaidade saudável, priorizando o seu bem-estar físico antes da aparência.

"Eu gosto de me cuidar e de me sentir bem e feliz comigo. Além disso, tem a preocupação com a saúde. Busco estar em movimento, equilibrar minha alimentação. Por exemplo, se um dia eu exagero, tento maneirar no outro. Mas não privo de comer as coisas de que gosto. Acho importante ter um equilíbrio para me manter bem e saudável", comentou.

Bullying 

Thaila relembrou ainda a infância, quando sofria bullying por ser "magra demais", algo que refletia na baixa autoestima com o próprio corpo.

"Eu falaria para ela gostar do seu corpo. Eu sofri bullying durante a minha infância por ser magra demais. Foi uma época muito complicada, eu não gostava do meu corpo. Não queria ser daquele jeito, mas não conseguia engordar... Eu aprendi a gostar de mim do jeito que sou, mas isso veio com a maturidade, com o tempo. E é um exercício diário. "

Divulgação
Imagem: Divulgação

A paulista contou ainda qual conselho daria para si mesma se pudesse voltar no tempo, criticando a ditadura da beleza imposta pelas pessoas.

"Estamos em 2018 e as pessoas continuam sendo julgadas pela aparência. Estamos numa fase de aceitação grande, o que acho bonito e importante. Mas há aquele padrão que se não estamos nele, somos julgadas e categorizadas. Ou você está gorda demais ou magra demais. E as pessoas ao redor se sentem à vontade para falarem sobre você, seu corpo, sua vida... Falta ainda empatia para entender e acolher as diferenças. Eu acredito que o que existe de mais legal na vida é a pluralidade, é a possibilidade de cada um ser quem é, do jeito que gosta de ser, e não ser discriminado por isso. Hoje eu falaria para a Thaila mais nova: "Use saia. Não tenha vergonha por isso". Cada corpo é um corpo. E cada um tem sua história. "

Haters nas redes sociais

E para driblar todos esses problemas com "haters" nas redes sociais, Thaila tem uma tática: não conectar sua energia com os críticos de plantão.

"Acho que as pessoas compartilham ali o que é importante para elas e o que elas desejam tornar público. Comigo funciona muito assim. Divido um pouco da minha rotina, aproveito para falar sobre causas que acredito, defender minhas ideias. As redes sociais permitiram um contato mais direto entre as pessoas, uma relação mais próxima, e acho isso muito legal. Tem os haters, mas eu não conecto minha energia com essas pessoas. Prefiro estar ali para trocar com quem tem vontade de crescer junto! ".

Mais Autoestima