PUBLICIDADE

Topo

Marina Santa Helena

Visual simples de Biden x terno quadrado de Trump: a roupa também pede voto

NurPhoto/NurPhoto via Getty Images
Imagem: NurPhoto/NurPhoto via Getty Images
Marina Santa Helena

Marina Santa Helena é uma profissional multimídia que lidera discussões, especialmente no mercado de moda e da internet, desde os anos 2000. Consultora de estilo, apresentadora e produtora de conteúdo para as mais diversas plataformas, Marina também comanda os podcasts Estilo Possível e Um Milkshake Chamado Wanda. Formada em arquitetura e pós graduada em moda, ela nunca esteve distante do universo da moda e das passarelas.

Colunista do UOL

07/11/2020 04h00

No auge da contagem de votos nesta sexta, quando escrevo este texto, as eleições americanas têm sido o assunto mais comentado do mundo nos últimos dias. Enquanto o candidato à reeleição Donald Trump ainda tenta vender um discurso fantasioso sobre si mesmo, dizendo que sozinho pode resolver todos os problemas do país, que fez mais pela comunidade negra dos Estados Unidos do que qualquer presidente desde Abraham Lincoln (1861-1865) ou que deveria ter seu rosto esculpido no monte Rushmore, Joe Biden segue na frente na maioria dos Estados.

Joe Biden - Drew Angerer/Getty Images - Drew Angerer/Getty Images
Imagem: Drew Angerer/Getty Images

No que diz respeito à imagem e estilo, ambos os lados têm vários aspectos a serem analisados. Por exemplo, quando, na semana passada, Trump e seus aliados participam do circo armado em um evento republicano, cada detalhe, cada movimento, cada palavra, foi pensado com base nas eleições.

Não é à toa que nesse evento, Ivanka Trump foi a escolhida para anunciar a entrada de seu pai: ela, usando roupas perfeitamente ajustadas, é o melhor exemplo loiro de feminilidade republicana, capaz de arrancar elogios da audiência conservadora presente, como se fossem para o próprio Trump.

Ivanka Trump - Joe Raedle/Getty Images - Joe Raedle/Getty Images
Ivanka Trump, filha do presidente, aposta em peças com cortes que destacam a feminilidade
Imagem: Joe Raedle/Getty Images

Do outro lado, muitas celebridades têm usado seu poder de influência para tentar virar o jogo convocando as pessoas a votar.

Um dos exemplos mais marcantes foi o vestido usado pela cantora Lizzo no último Billboard Music Awards. Ela usou a peça, assinada pelo estilista Christian Syriano e completamente estampada com a palavra "VOTE", para receber o prêmio de Artista Mais Vendida e discursou sobre opressão, necessidade de usar a voz para conquistar lugares que lhes são de direito e a importância de votar para que isso aconteça.

Esses exemplos relacionados à política servem para mostrar o quanto o ato de transmitir uma mensagem é fundamental na moda e na vida.

Aliás, uma pessoa que domina o uso das imagens de moda é a congressista Alexandra Ocasio Cortez. Quando escolhe usar sempre argolas douradas no dia a dia e a cor branca em eventos políticos, AOC acena para a comunidade latina e também faz referência às sufragistas que lutavam pelos direitos das mulheres na política e usavam essa cor como símbolo do movimento.

Alexandria Ocasio-Cortez - Win McNamee - 5.fev.2019/Getty Images - Win McNamee - 5.fev.2019/Getty Images
Alexandria Ocasio-Cortez durante evento em Washington
Imagem: Win McNamee - 5.fev.2019/Getty Images

Joe Biden escolhe sempre linhas mais enxutas e um visual mais simples - coisa que até pouquíssimo tempo atrás preocupava os democratas - mas muito de acordo com a mensagem de homem do povo que o candidato quer passar.

E, apesar de ser a primeira-dama, Melania, quem passa pelo maior escrutínio com relação ao visual, Trump tem cada traço de seu visual, como os ternos quadradões (em oposição ao visual de ternos de alfaiataria super slim de Obama) -e sim, gente, até aquele bronzeamento-, pensado cuidadosamente.

Então, não se iluda: nada é por acaso, ainda mais na política. E mesmo você, quando escolhe usar uma calça jeans e camiseta branca ou um vestido preto, sua imagem passa sim uma informação de estilo.

É óbvio que candidatos e pessoas comuns devem ser julgados de forma justa e séria pelo que são e pelo que têm a dizer, não apenas pelo visual. Mas o fato é que vivemos em uma era em que muito do julgamento é baseado em imagens e seria no mínimo ingênuo ignorar os sinais cuidadosamente enviados pelo que vemos.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.