PUBLICIDADE

Topo

Blog Nós

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Maternidade é um milagre que não deveria ser imposto às mulheres

Precisamos cuidar para que a maternidade seja querida, desejada e amparada - Getty Images
Precisamos cuidar para que a maternidade seja querida, desejada e amparada Imagem: Getty Images
Conteúdo exclusivo para assinantes
Brenda Fucuta

Brenda Fucuta é jornalista, escritora e consultora de conteúdo. Autora do livro "Hipnotizados: o que os nossos filhos fazem na internet e o que a internet faz com eles", escreve sobre novas famílias, envelhecimento, identidade de gênero e direitos humanos. Além de entrevistar pessoas incríveis.

Colunista do UOL

02/05/2022 04h00

Barrigas de grávida deixavam meu filho mais novo encantado. Quando via uma mulher grávida, os olhos dele se iluminavam e procuravam os meus, com alegria, para dividir a descoberta maravilhosa. Se pudesse, se a mãe permitisse, ele encostava as mãozinhas pequenas, de criança de 2, 3 anos de idade, na barriga mágica. Ali se encontrava um milagre, ele sabia.

A maternidade é um milagre.

Um milagre que acontece com mulheres de várias idades, que falam línguas diferentes. Mulheres que parem no chão, em cima de panos de algodão, mulheres que parem com plateia, nos hospitais chiques. Ao lado de seus parceiros, na companhia de familiares e amigos. Ou sozinhas.

Mulheres estão parindo há centenas de milhares de anos. Com sorte, continuaremos.

O que temos feito com esse milagre é outra conversa.

- Cobramos de mulheres que sejam mães, como se todas fôssemos caixinhas de surpresa automáticas. Milagres não deveriam ser impostos, nunca poderiam ser tratados como uma obrigação.

- Mães podem ser brutas, cruéis, mesquinhas. A geração de uma vida pode ser um milagre, mas isso não significa que a figura da mãe deva ser santificada. Não somos santas, não somos perfeitas. Essa cobrança é um fardo terrível. Precisamos é cuidar para que a maternidade seja querida, desejada e amparada. E que a maternagem não seja solitária, mas uma jornada apoiada e celebrada por toda a comunidade.

- O mundo pode ser omisso e violento com uma criança. Nós nos damos ao luxo de nos tratarmos como matéria barata, como se milagres só existissem na escassez, nunca na fartura.

Milagres não são raros. Acontecem todo dia. Numa linha comprida do tempo, uma gravidez carrega nossa memória como espécie. Estão ali, nadando no caldo morno, os códigos genéticos de muitas gerações, mas, assim mesmo, de uma única humanidade. Uma mulher grávida carrega dentro de si a história de todos os homens. E isso não é um milagre?

Há duas semanas, minha querida sobrinha Juliana deu luz à Lara, primeira filha dela e do Leo. Primeira neta do meu irmão Marco e de sua mulher, Iolanda. Primeira bisneta dos meus pais, Mira e Julio. Minha primeira sobrinha-neta. Nossa família, sem bebês havia dezoito anos, foi renovada com Lara. Isso é um milagre.

Blog Nós