PUBLICIDADE
Topo

Não, o 5G não espalha covid: entenda teorias mais absurdas sobre a conexão

Ilustração da variante Delta do novo coronavírus - iStock
Ilustração da variante Delta do novo coronavírus Imagem: iStock

Colaboração para Tilt, em Florianópolis

09/11/2021 04h00

O leilão do 5G foi concluído na última sexta-feira (5) no Brasil, mas as fake news sobre a tecnologia, que promete oferecer internet 20 vezes mais rápida do que o 4G, já circulam há tempos.

Você já recebeu uma mensagem no WhatsApp dizendo que as vacinas contra a covid-19 possuem chip que permite o controle externo de pessoas a partir de antenas 5G? E de que a tecnologia é capaz de enfraquecer o sistema imunológico, espalhar o coronavírus e causar a morte de animais? Tudo isso já circulou — e foi desmentido.

Achou os exemplos acima bizarros? Calma que tem mais. Tilt lista e explica a seguir algumas das teorias da conspiração ligadas ao 5G — todas já destacadas como fake news.

1 - Ativação de chips para controle mundial

O uso de microchips para monitorar e controlar pessoas vacinadas contra o coronavírus a partir de um imunizante feito na China foi uma das teorias da conspiração que mais se popularizou nos Estados Unidos, o que incluiu supostos imunizantes com partículas magnéticas.

Fake news como essas aproveitaram ainda o 5G para ganhar mais força. A internet de quinta geração seria usada para ativar esse monitoramento, supostamente arquitetado pela empresa Huawei, fabricante chinesa de equipamentos de telecomunicações.

Aqui no Brasil a falsa notícia também ganhou espaço. No Facebook, uma postagem com erros de português foi disseminada com o falso alerta:

"A vacina 'chinesa' contém RNA replicável, digitalizável, ou seja para controlar a humanidade através das ondas que vai emitir as antenas 5G. você faz assina pensa que está curado E quando eles ativar em si cai duro sem saber porquê. não fazam uma vacina chinesa, logo vai chegar a vacina de outro país segura (sic)".

A fake news foi desmentida por veículos de notícia (estrangeiros e brasileiros). Em uma declaração para a agência Lupa, especializada em checagem de fatos, a professora Kalinka Castelo Branco, do ICMC (Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação) da USP (Universidade de São Paulo), esclareceu que não existe qualquer relação entre tecnologia 5G e a vacina contra a covid-19.

2 - Dominação da Microsoft

Informações falsas dizem ainda que Bill Gates, fundador da Microsoft, seria o criador de uma vacina não líquida, em um formato de selo, que permitiria o controle de pessoas via 5G.

Um texto que circula pelo Facebook diz em um trecho: "Depois de serem todos contaminados, ops— digo, vacinados! Você só conseguirá acessar suas redes sociais, Google, contas da Microsoft entre outras, se você digitar ou escanear o código que está no selo (da vacina). Uma forma eficiente e engenhosa de controlar todos".

Novamente, a fake news foi desmentida. O site Fast Checked, também de verificação de fatos, consultou Kevin McHugh, bioengenheiro integrante do estudo para esclarecer as falsas alegações.

3 - 5G, resistência do organismo e coronavírus

Com o avanço do coronavírus, a tecnologia 5G virou falsamente a responsável por facilitar a disseminação da covid-19.

Um texto que se tornou popular afirmava erroneamente que o coronavírus se propagou facilmente em Wuhan (local em que os primeiros casos da doença foram registrados), na China, por causa dos prejuízos no sistema imunológico originadas pela cobertura do 5G na região, que teria sido a primeira no país a receber a tecnologia.

A falsa informação alcançou diversos países europeus como Portugal, Bélgica e Croácia. Na Alemanha, checagens de fatos esclareceram que esses conteúdos eram mentirosos —as primeiras cidades a utilizarem a conexão 5G na China foram Pequim e Xangai.

4 - 5G mataria pássaros

Pegando carona nos boatos, o 5G também seria responsável por matar pássaros. Em uma conversa com o Tilt, o professor do departamento de engenharia da computação da USP, Moacyr Junior, desmentiu a teoria.

Possivelmente, a fake news deve ter tido origem no fato de que, no passado, as micro-ondas instaladas no Brasil chegaram a matar pombas. Porém, isso não acontece mais. "As micro-ondas podiam matar pombas por causa da potência. O coitado do 5G tem uma potência mínima que nem chamusca a peninha do beija-flor."

5 - Antenas que transmitem a covid-19

Afirmações de que antenas que transmitem o 5G, "envelopadas" no formato de cactos, também circularam.

Segundo a falsa alegação, elas propagariam ondas de frequências eletromagnéticas com a covid-19 no México ou Cali, cidade colombiana. O disfarce de cacto seria para ninguém perceber a "real intenção dos culpados".

Posteriormente, foi descoberto que as imagens, publicadas em redes sociais como Facebook e Twitter, são do ano de 2009. Elas não têm nenhuma relação com o vírus e foram tiradas por um jornalista para o Arizona Daily, conforme esclareceu o site Maldita.es.

Nos EUA, boatos envolveram um equipamento de transmissão 5G com o nome de "COV-19". Contudo, o aparelho se tratava somente de um circuito interno de um receptor de TV a cabo, que não tem nenhuma proximidade com a inovação.