PUBLICIDADE
Topo

Mi Mix 4 e Galaxy Z Fold 3: veja como funciona câmera escondida sob a tela

Samsung Galaxy Z Fold3 tem suporte à caneta S Pen; e tela interna tem câmera frontal oculta sob a tela - Divulgação/Samsung
Samsung Galaxy Z Fold3 tem suporte à caneta S Pen; e tela interna tem câmera frontal oculta sob a tela Imagem: Divulgação/Samsung

Felipe Oliveira

Colaboração para Tilt, em São Paulo

11/08/2021 16h13

Xiaomi e Samsung lançaram com cerca de 24 horas de diferença celulares com uma tecnologia que tem tudo para virar tendência: a câmera frontal escondida sob o display. A fabricante chinesa colocou o recurso no Mi Mix 4, anunciado ontem, enquanto a marca sul-coreana equipou o smartphone dobrável Galaxy Z Fold 3, apresentado nesta terça-feira (11).

Apesar de estarem sob a tela, as câmeras dos dois lançamentos têm suas diferenças. Começando pelo sensor do modelo da Samsung, que fica quase invisível quando não está sendo utilizada, ele tem uma qualidade baixa na resolução da imagem, com apenas 4 MP.

A fabricante afirma que o propósito dessa câmera frontal é o uso em conversas por vídeo, mais adequada assim para chamadas do Zoom ou videoconferências. Já a câmera frontal do Mi Mix 4 possui 20 MP de resolução e tem como foco a qualidade das selfies.

A câmera do Mi Mix 4

Xiaomi Mi Mix 4 - Divulgação - Divulgação
Xiaomi Mi Mix 4
Imagem: Divulgação

As especulações sobre qual aparelho da Xiaomi iria chegar com essa tecnologia começaram ainda em 2020, quando a marca chinesa anunciou que o recurso estava pronto após três gerações de tentativas para chegar a uma qualidade boa de imagem — pensava-se inicialmente que a novidade seria adotada no Mi 11.

No lançamento do Mi Mix 4, Xiaomi afirmou que foram necessários "cinco anos, 60 patentes, um investimento de US$ 77 milhões e centenas de engenheiros" para tornar a novidade possível, segundo informações do site "The Verge".

A combinação da tela do Mi Mix 4 e da câmera de selfie conta com ajuda de inteligência artificial para produzir fotos com qualidade, segundo a empresa.

O display do modelo tem uma área de 400 ppi (pixels por polegada), o que permite que a luz durante a captura da foto passe para o sensor frontal. Essa característica acompanhada de circuitos e da IA prometem imagens tão boas quanto as tiradas por câmeras padrão adotadas nos celulares atuais do mercado.

A tela do lançamento é um painel Oled curvo de 120 Hz (taxa de atualização que influencia na fluidez de transição das imagens) de 6,7 polegadas.

A câmera do Galaxy Z Fold 3

A tecnologia da Samsung não tem foco tão grande na qualidade das fotos, como dito anteriormente. Segundo a empresa, há "pixels mínimos aplicados na parte superior do orifício da câmera", o que aumentaria a área de visibilidade do aparelho para o consumidor. Ou seja, a questão principal não foi esconder totalmente a câmera, mas deixar a tela "ininterrupta" quando você estiver utilizando o aparelho.

Da maneira que a câmera frontal ficou colocada, se você se concentrar em um vídeo, por exemplo, o sensor "desaparecerá" de vista, algo que seria impossível em um aparelho com o entalhe padrão.

Ao mesmo tempo, o sensor do Galaxy Z Fold 3 foi trabalhado para conseguir captar mais luz, algo importante considerando que está embaixo da tela.

Quem tem interesse em selfies melhores pode aproveitar as outras lentes do celular e a versatilidade da tela dobrável. Existe uma câmera localizada na tela aberta com resolução de 10 MP. Quem quiser também pode usar o conjunto de câmeras principais na traseira do aparelho — são três, todas de 12 MP.

Ainda não há previsão de chegada dos lançamentos no Brasil. Mas é possível que os preços sejam bem diferentes. O Mi Mix 4 foi lançado na China pela Xiaomi por valores equivalentes em reais (conversão direta e sem impostos) começando em R$ 4.070. A Samsung venderá o Galaxy Z Fold 3 a partir de US$ 1.799 (cerca de R$ 9.390).