Conteúdo publicado há 2 meses

'Estamos tranquilos com a T4F', diz diretor de comunicação do Primavera

Joan Pons, diretor de comunicação do festival Primavera Sound, afirmou que o evento está tranquilo em relação à sua parceria com a Time For Fun, em entrevista a Splash na última quinta-feira (23).

Pons afirma que o festival está seguro em relação aos padrões do Primavera mesmo após a crise envolvendo a morte da fã Ana Clara Benevides no show de Taylor Swift. produzido pela T4F.

"Estamos totalmente confortáveis com nossos parceiros. [...] Queremos exportar não só a programação do Primavera, mas nossos padrões. E nossos padrões de segurança, sanitários e de saúde são muitos altos", afirmou.

Um de nossos principais objetivos é que as pessoas se sintam seguras e protegidas em nosso festival. Nunca tivemos nenhum incidente nesses 10, 20 anos porque somos muito críticos com nós mesmos. Queremos melhorar ano após ano. Então estamos bem tranquilos com isso, porque os padrões de segurança, sanitários e de saúde seriam os mesmos de Barcelona. Joan Pons, diretor de comunicação do Primavera Sound

Ele também está tranquilo quanto à distribuição de água no evento, que no ano passado já contava com dois bebedouros. "Estou muito tranquilo em relação ao [festival] em São Paulo, porque sei como o evento aconteceu no ano passado. Neste ano, fizemos melhorias. Então nada ali me preocupa. Há coisas que não podemos prever, mas acredito que tudo sairá bem."

No início do mês, a Time For Fun anunciou que fechou um contrato de dez anos com o Primavera Sound e que o evento ocorrerá em parceria com a companhia até 2033.

"Montar programação é como ir ao mercado"

Pons afirma que a programação depende dos artistas que estão disponíveis para fazer shows em festivais, e que o Primavera Sound busca tornar o pacote mais "atrativo" para os artistas, oferecendo mais eventos para que a vinda para a América Latina seja compensadora.

A intenção é ter uma programação similar em todas as edições ao redor do mundo, mas há questões logísticas e às vezes é preciso fazer ajustes.

Continua após a publicidade

"Montar a programação é como ir ao mercado, mas às vezes só dá para comprar o que o mercado oferece", explica. "Nós sempre buscamos oferecer algo para a geração mais jovem, para os jovens adultos e para um público mais sênior", acrescenta.

Não trazemos artistas em quem não acreditamos. [...] Se escolhemos um artista, é porque esse artista significa algo para nós, significa algo para o Primavera Sound. [...] Somos fãs de música e como fãs somos curiosos por todos os tipos de música. Não ligamos se é pop, rock, hip-hop, trap, dance, o que for. Joan Pons

A diversidade é um dos pilares do festival. "Teremos diversidade no público se a programação for diversa. [...] Pensamos que todos os festivais no mundo deveriam ser assim, um lugar onde todos podem aproveitar a música e se expressar do jeito que são."

Primavera Sound tem futuro no Brasil

O festival veio para ficar em São Paulo, garante Pons. "O público de São Paulo foi o melhor que já vi em um festival. Eles curtiram muito a música, foram respeitosos, eram diversos e aproveitaram. Pensei: 'Uau, quero esse público para todos os Primavera Sounds do mundo'. Foi uma prova de que fizemos a coisa certa ao trazer o festival para o Brasil. Não queremos ser uma franquia, ir e voltar ou fazer o evento uma vez só. Estamos em São Paulo para ficar."

Pons ressaltou mais uma vez a necessidade de ter um parceiro local para realizar eventos e acertar questões logísticas; no caso, a Time For Fun. "Precisamos de um parceiro local para apontar a direção certa. Para contratar talentos locais porque faz sentido para nós. Temos que confiar neles e eles têm uma missão, que é apontar qual artista é mais 'Primaveril', vamos dizer assim. E eles estão fazendo isso muito bem."

Continua após a publicidade

O Primavera Sound acontece nos dias 2 e 3 de dezembro, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes