Arte Fora do Museu

Arte Fora do Museu

Siga nas redes
Só para assinantesAssine UOL
Reportagem

A praia amazônica chega em São Paulo pela arte urbana

A arte urbana está sendo responsável por fazer uma conexão entre a natureza e o concreto. São Paulo acaba de ganhar um mural com cores e histórias amazônicas. O CEU Parque Novo Mundo, localizado na Zona Norte de São Paulo, foi o painel de um desenho de 240m² para a artista indígena Daiara Tukano, com colaboração do fotógrafo Paulo Desana.

A arte traz uma cobra em cima da Serra de Curicuriari, conhecida como a Serra da Bela Adormecida. Para os povos indígenas do Alto Rio Negro, o mito da Cobra Canoa ou da "canoa da transformação", explica como a humanidade foi formada no bojo da grande cobra, criando comunidades ao longo do rio.

Mural de Daiara Tukano na piscina do CEU Parque Novo Mundo
Mural de Daiara Tukano na piscina do CEU Parque Novo Mundo Imagem: Paulo Desana

A Cobra, portanto, é a genitora, e o Lago de Leite seria o útero, sendo a responsável pelo transporte de todas as etnias pelo leito do rio e, por fim, o homem branco. Essa seria a visão dos povos indígenas do Rio Negro sobre a origem da humanidade. Já a Serra da Bela Adormecida é o monumento natural da cidade, como uma pintura. O complexo rochoso, na perspectiva de quem o observa da cidade, é de uma mulher que dorme com as mãos sobre o colo.

"Além de embelezar o espaço público, esse mural inserido na periferia de São Paulo também é um convite para que a população dessa região saiba mais sobre a arte indígnena. Quando uma obra de arte é feita em um espaço público, ela se democratiza. É uma forma de levar um pouco da cultura e dos conhecimentos dos povos tradicionais brasileiros para a capital paulista", explica Vera Nunes, fundadora da Gentilização, produtora do mural.

A realização é da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, através do edital do Museu de Arte de Rua (MAR). Também fazem parte do projeto, como convidados, a artista visual Larissa Yepa da etnia Tukano e os grafiteiros Renato Moll, Xchex, Caru Vieira e produção de Beatriz Santana. Daiara Hori, nome tradicional Duhigô, pertence ao clã Uremiri Hãusiro Parameri do povo Yepá Mahsã, mais conhecido como Tukano. Nasceu em São Paulo em 1982, é artista, comunicadora independente, ativista dos direitos indígenas e pesquisadora em direitos humanos.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes