PUBLICIDADE
Topo

Presidente do Bahia: "Turner desrespeitou os clubes; a Globo não faz isso"

Do UOL, em São Paulo

02/07/2020 19h28

Oito clubes da Série A do Campeonato Brasileiro têm contrato com a Turner para a transmissão de jogos em TV paga até 2024, mas a opção de acordo com a empresa causou algumas perdas, além de uma relação conflituosa atualmente, que piorou após o grupo suspender os pagamentos aos clubes durante a pandemia do novo coronavírus, ao contrário do que fez a Globo, que acertou os direitos de transmissão em TV aberta a pay-per-view, que propôs pagar um valor reduzido devido ao período sem jogos.

Em entrevista exclusiva ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, o presidente do Bahia, Guilherme Bellintani, fala sobre a situação dos clubes na relação com a Turner e com a Globo, as discordâncias e também o apoio à Medida Provisória 984, que ficou conhecida como a 'MP do Flamengo', depois de uma articulação de Rodolfo Landim, mandatário flamenguista, e a ida dos clubes a Brasília para uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"A Turner não foi verdadeira com os clubes, a Globo é verdadeira. A Globo chegou para a gente e falou 'não dá para pagar 100% na pandemia, tenho que fazer um abatimento de 70%'. Ok, foi lá e pagou os 30. Podia não ter pago. A Turner não pagou, não justificou, notificação horrível, maltratou os clubes, desrespeitou os clubes. A Globo não faz isso. A Globo tem postura, agora, comercialmente, eu tenho uma lista de divergências com a Globo. Como é que eu faço? Dialogo, coloco na mesa, falo tudo. Isso é importante", afirma Bellintani.

O presidente do Bahia também explica a forma como a Turner teve de ressarcir os demais clubes depois de ter pago um valor superior ao Palmeiras por luvas no contrato. Foi o próprio Bellintani que apurou a situação e conseguiu comprovar, fazendo com que o grupo tivesse de pagar uma multa

"Em 2018, primeiro ano meu como presidente, eu soube que tinha um boato de que a Turner tinha pago R$ 40 milhões a todos os clubes que assinaram com ela, mas tinha pago R$ 100 milhões ao Palmeiras. E o nosso contrato impedia de pagar diferente a outro clube. Eu perguntei aos executivos da Turner e eles disseram 'não pagamos'. Procurei saber do Palmeiras e tinha uma nuvenzinha ali de que eles tinham recebido um valor a mais", explica o dirigente.

"Contratei uma empresa, ela desarquivou as atas do Conselho Fiscal do Palmeiras em cartórios de São Paulo e na ata do Conselho Fiscal do Palmeiras estava lá dizendo que aprova as luvas de R$ 100 milhões do Palmeiras da Turner. E aí eu mostrei à Turner, notifiquei, isso gerou um novo acordo, ela gastou R$ 170 milhões a mais para indenizar todos os outros clubes que tinham contrato com ela porque ela tinha descumprido o contrato. Continuamos [com a Turner], mas fomos indenizados disso", completa Bellintani.

Tema da 'MP do Flamengo' já era discutido pelos clubes

O presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, foi criticado por articular a Medida Provisória 984, editada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que altera a prerrogativa de direito de transmissão dos jogos de futebol, fazendo com que o clube mandante tenha autonomia para negociar com as emissoras sem que ela necessário que o visitante compartilhe do mesmo acordo.

Bellintani diz que houve uma falha de Landim ao não tratar o assunto com os clubes antes de ir a Brasília se reunir com Bolsonaro, mas que já houve conversas posteriormente com o mandatário do Flamengo.

"Esse era um tema já amplamente tratado entre os presidentes, já era um desejo coletivo de grande parte dos clubes da Série A do futebol brasileiro. Nós discutíamos isso diariamente, em várias reuniões. Então, se aquela Medida Provisória específica não foi objeto de discussão, e isso é verdade, e deve ter uma crítica pontual a isso sim, é porque o ideal é que essas coisas decorram da discussão coletiva, mas se há essa falha, por outro lado, nós não divergimos e grande parte dos clubes não divergem do mérito da Medida Provisória", afirma o presidente do Bahia.

"Landim já falou para os clubes de forma muito respeitosa, cuidadosa, ligou para todo mundo debatemos isso numa reunião da Comissão Nacional de Clubes, e ele explicou porque não deu tempo, na verdade, de vir à discussão com os clubes e esse tema está superado internamente. Está superado entre os clubes", completa o dirigente.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda semana em duas edições semanais, na terça-feira, às 14h, e na quinta-feira, às 18h, em transmissão ao vivo, ou gravado, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.