PUBLICIDADE
Topo

Joel Santana: Virou uma doença agora você trazer técnico de outro país

Mais Os Canalhas
1 | 25
Siga o UOL Esporte no

Do UOL, em São Paulo

17/11/2020 15h08

Fora do futebol atualmente, o técnico Joel Santana considera que o futebol atual está chato, não aprova a busca de clubes brasileiros por treinadores estrangeiros e lamenta não ter contribuído para a seleção brasileira em alguma comissão técnica, apesar das passagens e títulos conquistados comandando equipes de Botafogo, Flamengo, Fluminense, Vasco, entre outros clubes brasileiros e internacionais e a seleção da África do Sul.

Em entrevista ao programa Os Canalhas, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana, Joel conta histórias vividas no futebol como jogador e técnico, além de comentar os assuntos atuais, como a vinda de tantos técnicos estrangeiros ao Brasil, o que afirma não ser um problema desde que não haja desprezo pelos profissionais brasileiros.

"Eu acho que está havendo uma mesmice. Eu acho que virou uma doença agora você trazer, não sou contra, não, pelo amor de Deus, trazer técnico de outro país. Que venha, mas não venha dizer que nós treinadores, não estou falando eu, não, estou falando dos grandes treinadores brasileiros, que nós não somos nada", afirma Joel.

"Enquanto a gente vivia do nosso jeito, comendo feijão com arroz, ovo, bife e essas coisas todas, nós chegamos a cinco campeonatos mundiais, que não eram para ser cinco, eram para ser, no mínimo, oito. Então nós tínhamos nossa maneira de ser, nós tínhamos nossa maneira de lidar", completa.

Além da vinda de estrangeiros ao futebol brasileiro, Joel Santana também critica alguns métodos de treinos que são adotados, como os trabalhos em campo reduzido.

"Agora eu ligo a televisão, aí vou ver um treinamento de um time e o que eles treinam? É campo reduzido. Essa porra de campo reduzido o jogador não dribla, o jogador não pensam, o jogador passa mal, você não tem aquele embasamento de fundamentos do futebol que você aprende em treinamentos, driblar, chutar, cruzar, marcar, você não vê treinamento tático hoje. Reduz o campo, você não joga", reclama Joel.

Arrependimento por trocar Flamengo pela África do Sul

O treinador também comenta os arrependimentos em sua carreira, como a saída do Flamengo para treinar a África do Sul em 2009 com a esperança de estar comandando a seleção anfitriã na Copa do Mundo de 2010, quando foi demitido e Carlos Alberto Parreira trabalhou na competição,

"Momentos que me marcaram, que se eu soubesse, não iria. Eu saí do Flamengo para ir para a África do Sul porque eu esperava ir à Copa do Mundo e não fui. Existe um arrependimento", diz Joel. "Eu deixei de ganhar uma Libertadores com o Flamengo", completa.

Outra frustração do treinador foi o fato de nunca ter trabalhado na seleção brasileira mesmo com tanto tempo de carreira, títulos conquistados e comandando jogadores importantes do futebol brasileiro.

"Consegui chegar onde eu queria chegar, eu só sinto não ter servido mais às cores do meu país, porque eu acho que tinha condição pela história que eu fiz dentro e fora do país. Não queria ser treinador, não, um auxiliar técnico, um olheiro, queria ajudar", diz Joel Santana.

"Eu quero ajudar para ver essa nação brasileira ser campeã, quer dizer, botar o uniforme. Botei o da África do Sul, que é parecido, mas não é o meu. Parecido mas não é, mas faz parte da vida e a vida você tem que saber conviver com as duas situações", conclui.

Os Canalhas: Quando e onde?

O programa Os Canalhas vai ao ar toda terça-feira, às 14h, com programa inédito, disponível na home do UOL ou nos perfis do UOL Esporte no Youtube e no Facebook e Twitter, com os jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana entrevistando personalidades importantes do esporte brasileiro. Inscreva-se no canal Os Canalhas no Youtube para conferir mais de João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana.