PUBLICIDADE
Topo

MMA


Yamasaki critica postura de Hardy ao gritar com Herb Dean, mas cita demora

"Árbitro do Coraçãozinho" disse que Herb Dean demorou para interromper o duelo - Ethan Miller/Getty Images
'Árbitro do Coraçãozinho' disse que Herb Dean demorou para interromper o duelo Imagem: Ethan Miller/Getty Images

Carlos Antunes, no Rio de Janeiro (RJ)

Ag. Fight

29/07/2020 06h00

No último sábado (25), o quarto show do UFC na 'Ilha da Luta', realizado em Abu Dhabi (EAU), contou com polêmica durante a luta entre Francisco 'Massaranduba' e Jai Herbert. Assim que o brasileiro acertou um potente golpe e derrubou o inglês, a demora de Herb Dean para interromper o confronto causou mal estar com Dan Hardy, comentarista do Ultimate, que acusou o árbitro de ter demorado a paralisar a disputa. Atento a tal questão, Mario Yamasaki, que arbitrou por anos duelos na franquia, deu sua visão do fato.

Em entrevista exclusiva à reportagem da Ag.Fight, o 'Árbitro do Coraçãozinho' afirmou que seu companheiro de profissão demorou para interromper o duelo. Porém, Yamasaki ressaltou que no calor do momento o árbitro pode ter perdido um pouco da noção da hora correta de paralisar uma luta. O brasileiro também criticou a postura de Dan Hardy, que ao gritar na beira do octógono pode ter atrapalhado o julgamento de Dean.

"Pela TV parece que deveria ter parado antes, mas só sabe quem está lá dentro. Ele está no olho do furacão, vendo tudo de perto, a reação do lutador, seus olhos. Então fica difícil falar, ele viu coisas que não vimos. Quanto o Hardy, deveria ter um pouco mais de classe e não confrontar ali na hora. Eles ficaram no mesmo hotel, poderia ter esperado para falar com ele. Eu não ligo, pois me concentro e não deixo me afetar nos comentários. Mas pode afetar (o desempenho) sim, dependendo do árbitro", afirmou o brasileiro, antes de revelar que já passou por uma situação semelhante no Ultimate.

"Sim (já aconteceu comigo), com o Matt Hughes quando estava de córner e achou que parei tarde. Ele entrou no octógono para tirar satisfação. Mas o lutador era adversário do dele", completou.

Mario Yamasaki sabe o que é estar no olho do furacão no UFC. Em 2018, o brasileiro comandou a luta entre Valentina Shevchenko e Priscila Cachoeira, quando a atleta do Quirguistão finalizou a rival no segundo round após aplicar um duro castigo. Naquela época, o paulista sofreu duras críticas, principalmente do presidente do UFC Dana White, e até o momento não voltou a arbitrar uma luta na organização. De acordo com o profissional, o polêmica com ele foi "proposital" e citou o motivo.

"Os lutadores sofrem o mesmo preconceito, mas no meu caso foi para criar polêmica e vender mais pay per view. O negócio é não deixar acontecer polêmica. Aí não tem choro. Mas não me preocupo com isso. Estou lá há mais de 20 anos, já passei por tudo, até de queridinho deles. Talvez (eu tenha sido) injustiçado pela Comissão Atlética que sucumbiu (as vontades) do UFC. Quem me contrata são eles e não o UFC. Na teoria o UFC não teria como impedir, mas...", completou o árbitro de 56 anos.

O brasileiro adiantou que a pandemia de coronavírus adiou, por ora, seu retorno às competições, mas se colocou à disposição para arbitrar caso receba algum convite. Mario Yamasaki foi um dos pioneiros a apitar lutas do Ultimate e ganhou muita fama dentro da liga. O árbitro, inclusive, foi o responsável por estar à frente do "duelo do século", entre Anderson Silva e Vitor Belfort, pelo cinturão do peso-médio (84 kg), em 2011.

MMA