Brasil conquista mais dez ouros e passa das 200 medalhas no Parapan

O Brasil ultrapassou a simbólica marca das 200 medalhas conquistadas nos Jogos Parapan-Americanos de Santiago-2023. E a natação impulsionou essa conquista, já que a modalidade obteve mais 17 medalhas, sendo dez ouros, após a sessão da tarde desta quarta-feira (22).

Foram cinco dobradinhas, sendo duas com os irmãos Douglas e Thomaz Matera, além de outra tripladinha com Ana Soares, Débora Carneiro e Beatriz Carneiro.

Os irmãos Douglas Matera e Thomaz Matera fizeram duas dobradinhas no dia, nos 100m S12 e nos 50m S13. A dobradinha dos 50m foi a que gerou a 200ª centésima brasileira. Douglas venceu as duas disputas, marcando 56s45 nos 100m e 25s56 nos 50m, recorde parapan-americano em ambas as provas. Já Thomaz conquistou o bronze nos 100m, com 58s88, enquanto foi prata nos 50m, marcando 26s06. As duas provas aconteceram em um intervalo de menos de duas horas.

Assim como aconteceu nos 200m livre S14, logo no início do Parapan, o trio Ana e as irmãs Débora e Beatriz dominaram o pódio dos 200m medley SM14 nesta quarta. Ana outra vez conquistou a medalha de ouro, marcando 2min37s35, levando seu terceiro título individual na competição. Débora faturou a prata, com 2min38s45, enquanto Beatriz ficou com o bronze, marcando 2min38s52.

Ana Soares durante prova de natação no Parapan de Santiago
Ana Soares durante prova de natação no Parapan de Santiago Imagem: Alessandra Cabral/CPB

Multicampeões

Diversos atletas multicampeões em Santiago-2023 conquistaram medalhas nesta quarta. Um deles é Gabriel Bandeira, que conquistou seu quarto ouro na competição, desta vez na versão masculina dos 200m medley SM14, marcando 2min10s59, novo recorde parapan-americano da prova. Ele ficou seis segundos a frente do canadense Tyson Macdonald, que levou a prata, com 2min16s36. O argentino Lautaro Maidana completou o pódio, com 2min18s62.

Já Laila Suzigan ganhou seu quinto ouro neste Parapan ao vencer os 50m livre S6, com novo recorde parapan-americano, de 35s30. Mayara Petzold ficou com a medalha de bronze, marcando 35s66.

Além disso, Phelipe Rodrigues sagrou-se bicampeão parapan-americano nos 100m borboleta S10, vencendo com 1min00s47. Foi sua terceira medalha neste Parapan, a segunda de ouro, depois de ter triunfado nos 50m livre S10. O outro pódio foi um bronze nos 200m medley SM10.

Continua após a publicidade

Mais dobradinhas

Também nos 50m livre, Lídia Cruz levou o ouro com 39s72, novo recorde parapan-americano, enquanto Patrícia Pereira foi prata, com 40s91. Foi a sexta medalha de Lídia e a quinta de Patrícia - as duas disputaram revezamentos além das provas individuais. A mexicana Nely Miranda completou o pódio, com 41s37. Susana Schnarndorf e Edênia Garcia, que pertencem à classe S3, ficaram em quinto e em sétimo lugar, respectivamente.

Andrey Ribeiro conquistou a medalha de ouro nos 400m livre S9, com 4min25s08, novo recorde parapan-americano. Foi a segunda medalha de ouro do atleta de 19 anos neste Parapan, após também integrar o revezamento 4x100m medley misto 49 pts. Ainda nos 400m livre S9, Victor dos Santos levou o bronze, com 4min37s74. O equatoriano Erick Tandazo foi o "intruso" na dobradinha brasileira, conquistando a prata com 4min35s08.

Andrey Ribeiro durante 400m livre S9 de natação no Parapan de Santiago
Andrey Ribeiro durante 400m livre S9 de natação no Parapan de Santiago Imagem: Saulo Cruz/CPB

Para fechar o dia

Por fim, Cecília Araújo chegou à sua sexta medalha no Parapan de Santiago-2023. Primeiro, ela conquistou a medalha de ouro nos 50m livre da classe S8, marcando 31s35. Em seguida, fechando o dia da natação, ela integrou o revezamento 4x100m livre misto 34pts, junto Gabriel Cristiano, Lucas Mozela e Mariana Gesteira, que conquistou o ouro com 4min38s29, 12 segundos a frente do segundo colocado, os EUA.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes