PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Casagrande detona Maurício Souza: 'Homofóbico, covarde e mau-caráter'

Casagrande chama Maurício Souza de homofóbico e mau caráter  - Reprodução/SporTV
Casagrande chama Maurício Souza de homofóbico e mau caráter Imagem: Reprodução/SporTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

27/10/2021 13h52Atualizada em 27/10/2021 17h42

O comentarista Walter Casagrande não poupou críticas ao jogador de vôlei Maurício Souza, que foi afastado do Minas Tênis Clube após uma postagem homofóbica. No "Seleção SporTV", Casão chamou o atleta de mau-caráter e recordou um episódio entre ele e o jogador de vôlei.

Além de chamar Maurício Souza de "covarde e mau-caráter", Casão relatou que o jogador de vôlei compartilhou recentemente um vídeo "mentiroso", onde o comentarista possivelmente se declara satanista.

"É crime. É covardia. E é mau-caratismo. Principalmente e especificamente o Maurício Souza. E eu estou falando com propriedade, porque ele foi mau-caráter comigo. Então, para mim, ele é mau-caráter", começou Casão.

"Em 2018, antes das eleições, eu comecei a criticar (o presidente Jair Bolsonaro), a me posicionar sobre isso, e em determinado momento, eu fui dar uma entrevista longa numa rádio, onde eu contei minha história a todos, e o senhor presidente Jair Bolsonaro, que também é covarde e mentiroso, fez um recorte da minha entrevista, que poderia mostrar para as pessoas que eu era um satanista. Beleza. Passou. Dei uma entrevista para a revista Playboy, falei que ele era mentiroso. Obviamente que ele nem falou nada, porque é mentiroso mesmo. O Mauricio Souza, há uns três meses, recuperou esse vídeo e postou nas redes sociais dele. Ele colocou esse vídeo editado, mentiroso, falso, que o Jair Bolsonaro editou, nas redes sociais dele. Então, eu não me surpreendo, porque esse cara é homofóbico, é um cara que foi mau-caráter comigo. Parabéns a todos os atletas que se posicionaram. Esse cara, Mauricio Souza, é um homofóbico, preconceituoso, possivelmente racista, covarde e mau-caráter", completou o ex-jogador.

Já Paulo Cesar Vasconcellos cobrou uma punição mais rigorosa ao jogador de vôlei, que foi afastado do clube após pressão dos patrocinadores. Maurício Souza também se retratou nas redes sociais.

"O Maurício é porta-voz de um sentimento que começou a vigorar de uma maneira mais intensa de parte da sociedade brasileira na sua história recente. De uns quatro anos para cá, pessoas como o Maurício ganharam voz e empoderamento. A atitude do Maurício não é isolada. Ele é porta-voz de um segmento que se acha acima do bem e do mal, que ocupou espaços de poder no Brasil, e faz desse tipo de manifestação, que é crime, trazer uma confusão, trazendo a roupagem de liberdade de expressão a um crime. O que o Maurício fez, a punição é muito branda até o momento. A punição é muito mais por esse jeito brasileiro de caminhar para a conciliação", opinou PC Vasconcellos.

O apresentador André Rizek destacou a evolução social em relação à homofobia, e diz que "é com satisfação que eu vejo que os meus filhos nascem num mundo em que isso é condenado".

"Na minha infância, a gente não tinha tão claramente disseminada a importância de se combater a homofobia, e eu cresci num ambiente em que fazer piadas homofóbicas era praticamente a regra. As piadas homofóbicas eram praticamente a regra da minha geração, e é com satisfação que eu vejo que os meus filhos nascem num mundo em que isso é condenado", falou Rizek.

Emoção com jogador gay

Após as críticas a Maurício Souza, Walter Casagrande se emocionou com o vídeo onde o jogador Joshua Cavallo, do Adelaide United, revela ser gay.

"Eu, vendo esse vídeo, além de ficar emocionado, eu me identifico com ele, porque você expor a sua fragilidade para a sociedade, sabendo que você vai ser julgado e avaliado, não é uma coisa simples, e às vezes você não tem saída. Quando eu dei uma entrevista falando que sou dependente químico, que estava afastado da Globo porque eu tinha exagerado nas drogas, sofrido um acidente. Aquilo, apesar de ter sido difícil, e uma exposição necessária e sem saída, eu senti um alívio muito grande, que esse garoto deve ter sentido também. Apesar do alívio, eu também sabia que a minha vida ia mudar. Eu sou atacado nas redes sociais não pelo que falo ou escrevo, mas pela minha dependência química", falou Casagrande.

"Nós somos todos iguais. Quem não tem problema? Qual a pessoa que não tem algo no passado que não tenha sido de acordo com o que a sociedade quer? Qual pessoa que é assim? O julgamento é uma coisa muito feia", completou.

UOL Esporte vê TV