PUBLICIDADE
Topo

UOL Esporte vê TV

Pedido de diretor: os bastidores do "abraço a Bolsonaro" na TV Brasil

Neymar marcou três gols na partida contra o Peru> jogo foi exibido pela TV Brasil -  PAOLO AGUILAR / AFP
Neymar marcou três gols na partida contra o Peru> jogo foi exibido pela TV Brasil Imagem: PAOLO AGUILAR / AFP

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju

16/10/2020 04h00

Desde terça-feira (13) que o assunto nas redes sociais e de profissionais que trabalham na área esportiva da EBC (Empresa Brasil de Comunicação), mantenedora da TV Brasil, é só um: a polêmica transmissão de Peru x Brasil, pela segunda rodada das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. Profissionais estão assustados com o tamanho da repercussão do jogo, especialmente das críticas pelo abraço dado ao presidente Jair Bolsonaro nos dois tempos da vitória brasileira durante a partida.

Alguns membros do núcleo esportivo da emissora falaram reservadamente com o UOL Esporte. A principal preocupação é com o narrador André Marques. Com passagens por Super Rádio Tupi e Rádio Globo, ele recebeu a grande maioria das críticas por ter sido a voz dos agradecimentos ao presidente da CBF, Rogério Caboclo, e a Bolsonaro, em nome da Secretaria Executiva de Comunicação Social.

Marques recebeu diversas mensagens ofensivas por causa do atitude. Segundo apurado pela reportagem, a leitura do abraço para Jair Bolsonaro e para a cúpula da CBF foi um pedido expresso de Fábio Wajngarten, secretário-executivo do Ministério das Comunicações, ao diretor-presidente da EBC, Glen Valente. Ele repassou o texto ao narrador, que cumpriu a solicitação.

Para os colegas de André Marques, houve um grande exagero, inclusive de colegas jornalistas, com as críticas para a equipe que apenas cumpriu ordens. "Qualquer outra pessoa que tem contas a pagar teria feito o mesmo", afirmou um produtor de Esporte da TV Brasil, triste com o que o que chamou de "perseguição" nas redes sociais. Os profissionais ouvidos ressaltam que fizeram o melhor em um curto período de tempo que tiveram para preparar a produção.

A equipe esportiva foi avisada apenas uma hora antes da partida começar, e sequer tiveram tempo de preparação para estudar melhor as equipes. Outro ponto alegado é que havia uma pressão grande para que a transmissão fosse, tecnicamente, a mais perfeita possível, mesmo com a TV Brasil tendo parte de estrutura sucateada. Por sorte, os índices foram muito bons e comemorados internamente por todos os responsáveis.

Peru x Brasil marcou a maior audiência da história da TV Brasil na última terça (13), com 3 pontos de média com 4 de pico, fechando em quarto lugar no Ibope da Grande São Paulo. Apenas Globo, Record e SBT venceram a partida na emissora estatal, que impôs derrotas para as tradicionais Band e RedeTV!. Índices interessantes também foram obtidos em capitais como Porto Alegre, Rio de Janeiro e principalmente em Brasília, onde o jogo chegou ao segundo lugar.

Estranheza diante do episódio

Por fim, os profissionais afirmaram que nem todo mundo que trabalha na TV Brasil concordou com o abraço ao presidente Jair Bolsonaro. Em outras transmissões de futebol no canal, que já exibiu até Copa do Mundo Feminina e Série B do Campeonato Brasileiro, jamais ocorreu algum tipo de saudação ao Governo Federal ou para membros do Poder Executivo. Foi algo incomum até mesmo para quem já está lá há muito tempo.

Agora, a equipe esportiva vai tocar a vida. A TV Brasil transmite jogos da Série D do Campeonato Brasileiro toda semana, além da equipe de televisão ser aproveitada na Rádio Nacional do Rio de Janeiro, que também é controlada pela EBC. A equipe também produz o programa "Stadium", que vai ao ar diariamente, e a mesa-redonda semanal "No Mundo da Bola", apresentada aos domingos.

UOL Esporte vê TV