PUBLICIDADE
Topo

Globo perde 400 mil assinantes no PPV e amarga prejuízo de mais de R$ 31 mi

Vinheta de futebol da Globo - Reprodução
Vinheta de futebol da Globo Imagem: Reprodução

Gabriel Vaquer

Colaboração para o UOL, em Aracaju

08/06/2020 12h18

Nos quase três meses em que o futebol brasileiro foi suspenso como consequência da pandemia do novo coronavírus, o Premiere, serviço de pay-per-view esportivo do Grupo Globo, perdeu mais de 400 mil assinantes. O prejuízo mensal mínimo com o cenário já se aproxima da casa dos R$ 32 milhões.

Com a baixa, a base oficial de assinantes está abaixo de 1,5 milhão pela primeira vez desde o "boom" da TV paga no Brasil, no início da década de 2010.

A reportagem do UOL Esporte apurou que esses números são referentes à atualização do último dia 2 de junho. Em outras palavras, cerca de 29 mil contratos foram suspensos por dia desde o início da pandemia em todas as plataformas - seja diretamente, por meio do Premiere Play, ou com intermédio de operadoras de TVs por assinatura, que representam o grosso desses contratos.

Como assinaturas variam entre R$ 79,90 e R$ 115, o Grupo Globo deixa de ganhar pelo menos R$ 31,9 milhões ao mês e se depara com um buraco que pode chegar a 46 milhões mensais. A baixa não é uma derrota apenas para a emissora, já que a verba reduzida significa repasses menores à grande maioria dos grandes clubes da elite do Campeonato Brasileiro.

Com exceção de Athletico Paranaense, Red Bull Bragantino e Coritiba, todas as outras equipes da primeira divisão têm direito a receber parte desta receita.

Vendas suspensas

Além dos cancelamentos, a maior operadora do Brasil, a Claro/Net, suspendeu as vendas do "pacote Premiere" até o retorno dos campeonatos, mesmo para novos assinantes da operadora. O aplicativo Premiere Play e outras operadoras seguem disponibilizando o canal durante o período sem jogos.

Antes da pandemia, a base de assinantes do Premiere superava a casa de 1,8 milhão de clientes. Agora, cerca de 1,4 milhão de pessoas têm a assinatura.

Segundo ano de perda à vista

Mesmo com a grande base perdida, os números obtidos ainda são considerados administráveis pelo Premiere. O grande problema para a Globo, no entanto, será na arrecadação final de 2020.

A emissora esperava conseguir R$ 550 milhões para distribuir aos clubes, mas já se entende que o valor vai ser menor do que a expectativa. Será o segundo ano seguido que o Premiere fatura menos do que a Globo imaginava - em 2019, mesmo com a boa campanha do Flamengo no Brasileirão, os números ficaram aquém da expectativa.

Posição do Grupo Globo

Procurada oficialmente pela reportagem, a Globo admitiu que existe uma queda grande de assinantes do Premiere e disse que esse é um dos reflexos da pandemia no futebol brasileiro. A empresa afirma esperar que, após a retomada do esporte, consiga recuperar assinaturas. Os jogos serão retomados sem torcida e poderão ser assistidos apenas pela televisão.

"A Globo está atenta a todos os impactos da pandemia de coronavírus no mundo do futebol. O número de assinantes do Premiere é apenas um deles. Após a volta do futebol, é esperada uma retomada importante do Premiere, considerando que o torcedor já ficou um período sem jogos durante a pandemia", afirmou a emissora, em nota.

Futebol