PUBLICIDADE
Topo

Simone Biles fez alerta importante, atletas não são robôs, diz psicóloga

Do UOL, em São Paulo

30/07/2021 13h42

A ginasta americana Simone Biles voltou a se posicionar a respeito de sua desistência de finais da ginástica nos Jogos Olímpicos de Tóquio pelo fato de não estar se sentindo bem mentalmente e seu caso foi analisado no UOL News Olimpíadas pela psicóloga Karen Vogel, que é professora da The School of Life e lida com atletas de alto rendimento. Ela destaca a importância de uma atleta do patamar da campeã olímpica colocar o tema em debate.

A psicóloga destaca que muitas vezes se enxerga um atleta como se ele não tivesse as mesmas limitações humanas que qualquer outro indivíduo e o caso de Biles serve para mostrar que atletas não são robôs e precisam se cuidar quando chegam ao seu limite.

"A Simone foi um bom exemplo de a gente lembrar da nossa humanidade comum. A gente é ser humano, por mais que eles sejam atletas olímpicos, eles não são robôs, eles são seres humanos, então a gente tem o nosso limite, a gente tem as nossas questões, a gente tem o nosso emocional e ficou muito claro para ela que chegou em um limite, ela é um ser humano, ela não conseguiu manejar da forma que ela gostaria", afirma Vogel.

"É claro que ela gostaria, se ela pudesse, de estar melhor e mais bem emocionalmente preparada, mas realmente foi isso que apareceu para nós nessas Olimpíadas e a gente conseguiu olhar com esse olhar, que é: eles são maravilhosos, eles são incríveis, a gente tem um olhar para uma perfeição desses atletas, mas eles são seres humanos, então foi muito interessante a gente poder entrar em contato com essa questão, é uma limitação humana muitas vezes", completa.

Ela também destaca a coragem da atleta em se expor admitindo o problema que a fez desistir das competições e o quanto isso traz uma compreensão maior das pessoas de que há limitações que precisam ser respeitadas.

"Como precisa de uma coragem para você ir para o mundo e dizer 'infelizmente eu sou humana, eu sou limitada e não estou conseguindo manejar da forma como eu gostaria'. Precisou uma coragem, um enfrentamento e uma honra muito grande para fazer isso, então ela está de parabéns porque ela trouxe para nós um pouco essa compreensão de que é finito, é humano, é limitado muitas vezes", conclui.