PUBLICIDADE
Topo

Quem é Petrúcio Ferreira, o atleta paralímpico mais rápido do mundo

Petrucio conquista ouro nos 100m nas Paralimpíadas de Tóquio - Alê Cabral/CPB
Petrucio conquista ouro nos 100m nas Paralimpíadas de Tóquio Imagem: Alê Cabral/CPB

Beatriz Cesarini

Do UOL, em São Paulo

27/08/2021 09h47

Na manhã desta sexta-feira (27), Petrúcio Ferreira fez história mais uma vez nas Paralimpíadas. O paraibano de 23 anos conquistou o ouro — e o bicampeonato — nos 100 metros rasos em Tóquio na classe T46/47 (para atletas com deficiências nos membros superiores). No país do sol nascente, ele fez o tempo de 10s53 e melhorou o seu recorde da prova obtido na Rio-2016, que era de 10s57.

Petrúcio Ferreira dos Santos nasceu em São José do Brejo do Cruz, interior da Paraíba. Aos dois anos de idade, ele perdeu parte do braço esquerdo ao mexer em um moedor de capim. Apesar disso, ele e sua família nunca deixaram que a deficiência limitasse sua vida.

Fã de esporte, o brasileiro tentou embarcar na carreira de jogador de futebol profissional, porque tinha o sonho de vestir a camisa da seleção brasileira, assim como muitos jovens. Mas tudo mudou em sua vida quando Petrúcio acompanhou as Paralimpíadas de Londres em 2012, pela televisão de casa. Ele colocou na cabeça que estaria entre os melhores paratletas do mundo. E conseguiu.

Petrúcio deixou sua família na cidade que tem menos de dois mil habitantes e foi para a capital, em João Pessoa, para se dedicar ao atletismo. A consagração veio tão veloz quanto a maneira que corre. Apenas quatro anos depois de Londres-2012, ele se tornou o paratleta mais rápido do mundo, justamente nos Jogos do Rio de Janeiro, em 2016.

"Para a realização dos sonhos primeiro a gente precisa acreditar neles e em nós mesmos. Nossos sonhos para serem realizados só dependem de nós. Para uma longa caminhada é sempre preciso dar o primeiro passo. Se você tem um sonho, um objetivo, dê o primeiro passo. Não importa qual a sua condição de vida", disse em entrevista a Nissan, um de seus principais apoios.

"O importante é dar o primeiro passo e acreditar no seu sonho, assim como eu acreditei no meu. Saí lá do interior da Paraíba onde a realidade é totalmente diferente, os sonhos estavam sempre distantes para mim, mas nunca desacreditei em mim e hoje me tornei esse atleta que sou. Sempre busco deixar essa imagem positiva, deixar transparente o meu caminho para outras pessoas seguirem, para outras pessoas alcançarem seus objetivos", acrescentou.

Nas Paralimpíadas do Rio de Janeiro, Petrúcio faturou três medalhas, uma de ouro nos 100m, uma de prata nos 400m e outra de prata no revezamento 4x100 metros. E com tantos feitos, foi o porta-bandeira do Brasil na cerimônia de abertura das Paralimpíadas de Tóquio. Agora, viveu mais um momento histórico no Japão.

Em 2019 no Mundial de Dubai, ele faturou ouro nos 100m e 400m. No Parapan de Lima, o atleta conquistou o ouro nos 100m e a prata nos 400m. Além disso, é o atual recordista mundial nos 100m, com 10s42, e 200m.