PUBLICIDADE
Topo

Gabriel Constantino e Rafael Pereira avançam nos 110m com barreiras

O atleta brasileiro Gabriel Constantino - Fernando Gavini de Freitas/CBAT
O atleta brasileiro Gabriel Constantino Imagem: Fernando Gavini de Freitas/CBAT

Beatriz Cesarini

Do UOL, em Tóquio

03/08/2021 07h51

Os brasileiros Rafael Pereira e Gabriel Constantino conseguiram fazer uma boa prova e avançaram para as semifinais dos 110m com barreiras, nas eliminatórias disputadas nesta terça-feira (3), nas Olimpíadas de Tóquio. A disputa por uma vaga na decisão será ainda hoje, às 23h (de Brasília).

Rafael Pereira correu na quarta série da prova e conseguiu se classificar chegando em terceiro lugar, com o tempo de 13s46 — os quatro primeiros avançavam diretamente à semifinal. Já Gabriel Constantino chegou em quinto lugar na série fazendo o tempo de 13s55, marca que foi suficiente para se manter na competição. O norte-americano Grant Holloway, atual campeão mundial, foi também o melhor das eliminatórias, com o tempo de 13s02.

Gabriel, que é o recordista sul-americano da prova desde 2019 (13s18), não sabia se conseguiria competir, por causa de um estiramento sofrido há uma semana.

"Hoje minha vitória foi ter entrado na pista e realizado a prova. Todo departamento médico se mobilizou para que eu voltasse à pista, e eu voltei. Foi emocionante porque até ontem eu estava: 'entro ou não entro?'. Aí me falaram que essa oportunidade é de quatro em quatro anos e você deve entrar mesmo que para participar, para ser feliz. E estou feliz hoje. Entrei no estádio e abri um sorriso mesmo estando vazio", disse o carioca.

Estreante em Olimpíadas, Rafael Pereira não dependeu de ninguém para avançar, classificando-se diretamente às semifinais — ele se aproximou de sua melhor marca pessoal, que é 13s35.

"Resolvi fazer uma prova agressiva, e não técnica. Eu precisava de uma prova agressiva porque tinha atletas com tempos mais fortes e uma temporada mais forte do que a minha. Gostei do tempo, mas para a semifinal preciso acertar alguns detalhes técnicos." O Brasil também teve Eduardo de Deus correndo na quinta bateria, mas ele não conseguiu se classificar.