PUBLICIDADE
Topo

MMA


Após pedir flexibilização da quarentena, brasileiro pega Covid e perde UFC

Anderson Berinja participou de ato pela volta aos treinos em abril - Reprodução
Anderson Berinja participou de ato pela volta aos treinos em abril Imagem: Reprodução

Adriano Wilkson

Do UOL, em São Paulo

03/07/2020 14h02

O lutador Anderson "Berinja" dos Santos foi diagnosticado com Covid-19 na manhã de hoje (03) e ficará de fora dos cards do UFC marcados para a "ilha da luta", em Abu Dhabi, em 15 de julho.

O peso-galo de São Paulo enfrentaria o americano Jack Shore, mas foi surpreendido com o resultado positivo de seu exame na entrada do hotel em que os brasileiros ficarão concentrados. Além de Berinja, seu treinador Marcos Babuíno recebeu resultado positivo para covid-19.

A informação foi publicada primeiro pelo site "MMA Fighting" e depois confirmada pelo UOL Esporte.

Berinja e seu treinador estão sem sintomas. O pai do atleta, de 62 anos, que também pretendia ir ao Oriente Médio para ficar no corner do filho, testou negativo.

"Eu estava treinando bem a semana inteira, não sinto nada, fisicamente estou 100%. Mas também estou muito chateado e surpreso com tudo isso", afirmou o lutador. É a segunda vez que os planos de Berinja são interrompidos pela pandemia do novo coronavírus, já que ele também tinha luta marcada para o UFC São Paulo, em maio, que acabou cancelado após o decreto da quarentena.

Protesto - Divulgação - Divulgação
Atletas de MMA, jiu-jitsu e muay thai fazem ato por volta aos treinos em SP
Imagem: Divulgação

Em abril, Berinja e um grupo de atletas e treinadores de artes marciais se reuniu na frente da Assembleia Legislativa de São Paulo para apoiar um projeto de lei que previa a flexibilização da quarentena, de maneira que as academias pudessem voltar a funcionar. O lutador dizia na época que era possível voltar aos treinos, desde que respeitado um protocolo de segurança.

"Eu nunca fui contra o isolamento social", afirmou hoje o atleta. "E uma prova disso é que uma semana antes da quarentena começar, eu pedi pros pais meus se isolarem e comecei a levar compras de alimentos e remédios para eles. A gente não estava ali pedindo pra abrir a porta da academia e ser tudo como era antes. Nós sabemos que nada vai ser como antes. Mas a minha profissão é essa e eu preciso trabalhar. Naquela situação estávamos há um mês com academia fechada."

Posted by Anderson Berinja on Thursday, 23 April 2020

Oficialmente, de acordo com decreto do governo de São Paulo, as academias continuam proibidas de abrir em boa parte do estado. A reportagem apurou, porém, que algumas seguem funcionando de maneira parcial.

Hoje, o governador João Doria (PSDB) anunciou a antecipação da reabertura de academias em São Paulo.

Anderson Berinja afirma que tomou medidas para minimizar o risco de contaminação em seus treinos e que não tem certeza sobre a origem do contágio. "Tenho treinado com no máximo cinco pessoas, mas ninguém sabe direito como é esse vírus, não dá pra saber onde aconteceu."

Apesar de dizer ter feito uma quarentena rigorosa na chegada da pandemia ao país, o lutador admite que depois as medidas foram relaxadas. "Com o tempo, a gente tem que tentar voltar a alguma normalidade. Passei a visitar meus pais todos os fins de semana e fazer os almoços que a gente fazia antes", disse. Agora, com o resultado positivo de seu exame, ele pretende se afastar novamente de seus pais, que estão no grupo de risco da doença.

O UFC ainda não anunciou seu substituto para o card do dia 15 de julho. Aos 34 anos, Berinja faria sua terceira luta no UFC - ele foi derrotado nas duas primeiras.

O lutador também tem planos eleitorais e se coloca como pré-candidato a vereador de São Paulo pelo partido Republicanos.

MMA